Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Prevent Senior ocultou mortes em estudo sobre cloroquina, diz TV

Dossiê foi elaborado por médicos e ex-médicos da operadora de saúde; Jair Bolsonaro apoiou a pesquisa

Por Redação VEJA São Paulo 16 set 2021, 15h26

O plano de saúde Prevent Senior ocultou mortes de pacientes que participaram de um estudo para testar a eficácia da hidroxicloroquina associada à azitromicina, segundo informações da GloboNews.

A CPI da Covid-19 do Senado Federal recebeu um documento com denúncias de médicos e ex-médicos do plano de saúde que afirmaram que a disseminação da cloroquina foi realizada após um acordo do governo de Jair Bolsonaro com a Prevent e que o estudo teria sido parte das conversas.

De acordo com a GloboNews, no estudo sobre a cloroquina, nove pacientes morreram ao longo da pesquisa, mas os autores só divulgaram o falecimento de dois dos participantes. Em relato para a emissora de TV, um médico afirmou que o estudo foi manipulado desde o começo e que os resultados já estavam prontos antes mesmo da conclusão da pesquisa, com o objetivo de mostrarem uma suposta eficácia decorrente do uso dos fármacos.

Das nove pessoas que morreram, seis tomaram hidroxicloroquina associada à azitromicina. Em nota pelas redes sociais, a empresa afirmou que vai “pedir investigações ao Ministério Público que apure as denúncias infundadas e anônimas levadas à CPI por um suposto grupo de médicos”. Disse também que “desafia os supostos médicos que fizeram denúncias anônimas à CPI a apresentarem argumentos e provas”. Leia os posicionamentos abaixo:

View this post on Instagram

A post shared by Prevent Senior (@preventsenior)

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

A post shared by Prevent Senior (@preventsenior)

  • Continua após a publicidade
    Publicidade