Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Polícia indicia cinco por queda de helicóptero que matou filho de Alckmin

Governador se pronunciou nesta quarta (7): "Não vai trazer de volta o Thomaz"

Por Estadão Conteúdo 7 dez 2016, 15h27

A Polícia Civil de Carapicuíba, na Grande São Paulo, responsabilizou cinco pessoas da empresa Helipark – que faz manutenção de helicópteros – pelo acidente aéreo que matou Thomaz Alckmin, de 31 anos, filho do governador Geraldo Alckmin, em abril de 2015.

Também morreram o piloto Carlos Haroldo Isquerdo Gonçalves, de 53, e os mecânicos Paulo Henrique Moraes, de 42, Erick Martinho, de 36, e Leandro Souza, de 34.

As investigações foram encerradas em novembro e concluíram que o acidente foi causado por falta de manutenção da aeronave.

Polícia prende trio de menores que assaltava motoristas do Uber no ABC

Três funcionários da empresa foram indiciados por homicídio culposo (quando não há intenção de matar), porque não checaram o helicóptero antes da decolagem; um outro foi indiciado por falso testemunho, porque deu informações erradas sobre o tempo de voo; e o último funcionário foi indiciado por fraude processual, por apagar imagens das câmeras de segurança.

O governador disse nesta quarta-feira (7) que a conclusão do inquérito não vai trazer seu filho para casa, mas que é importante para evitar que acidentes como esse voltem a acontecer.

“Não vai trazer de volta o Thomaz, nosso filho. É importante para você evitar que os fatos se repitam. A lógica de uma investigação de acidente, seja aéreo, seja terrestre, tem esse sentido, de você ter a investigação para verificar qual foi a causa e evitar que se repita”, afirma.

Continua após a publicidade
Publicidade