Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Pioneira da cena drag no Brasil, Miss Biá morre aos 81 anos de Covid-19

Paulistana nascida no Brás, a artista ficou conhecida ao homenagear Hebe Camargo em suas produções

Por Redação VEJA São Paulo 3 jun 2020, 18h13

Morreu nesta quarta-feira (3) em São Paulo a pioneira drag queen Miss Biá, persona do maquiador Eduardo Albarella. A também atriz, transformista e maquiadora tinha 81 anos e foi vítima da Covid-19.

Uma das drag queens pioneiras do país, Miss Biá tinha 60 anos de carreira e fez inúmeras performances durante o período de ditadura militar no Brasil, quando a perseguição aos LGBTQ já era praticada pelo Estado brasileiro. Paulistana nascida no Brás, a artista também inspirou um documentário produzido pelo Museu da Diversidade Sexual — a produção está disponível no YouTube, em quatro partes. Miss Biá também ficou conhecida ao homenagear Hebe Camargo em suas produções.

+ Assine a Vejinha a partir de 6,90

“Miss Biá era uma lenda. Era gigante. Perdemos hoje uma pioneira. Alguém que, em tempos de ditadura, ousou ser artista, ousou ser drag queen — ou transformista, como se dizia na época. Alguém que homenageava a maior apresentadora da TV brasileira, Hebe Camargo, com seu trabalho e sentou no sofá mais famoso do país, em um tempo de grande preconceito”, lamentou o apresentador Fernando Oliveira em publicação no Instagram. “Miss Biá é mais uma que perdemos para a Covid. Miss Biá merece todas as homenagens e deixa um legado imenso. Que falta ela fará”.

View this post on Instagram

Miss Biá era uma LENDA. Era GIGANTE. Perdemos hoje uma pioneira. Alguém que, em tempos de ditadura, ousou ser artista, ousou ser drag queen – ou transformista, como se dizia na época. Alguém que homenageava a maior apresentadora da TV brasileira, Hebe Camargo, com seu trabalho e sentou no sofá mais famoso do país, em um tempo de grande preconceito. Alguém que, no começo das anos 90 distribuiu camisinhas vestida de freira para conscientizar a população sobre prevenção ao HIV. Miss Biá pavimentou um caminho IMENSO para LGBTs como eu com sua cara e coragem. Sempre que a encontrava prestava reverência. Era sempre leve, agradável. Miss Biá era a história de uma comunidade inteira. Que amava tanto sua arte que desfilava pela sala, sozinha, testando seus figurinos (e eu bem espiei esse momento da varanda de um amigo e depois me diverti contando a ela). Miss Biá era vanguarda, era apaixonada pela vida. Miss Biá é mais uma que perdemos para o covid. Miss Biá merece todas as homenagens e deixa um legado imenso. Que falta ela fará. To arrasado. 💔🌈

A post shared by Fernando Oliveira (@fefito) on

  • Continua após a publicidade
    Publicidade