Clique e assine por apenas 6,90/mês

Paulo Mendes da Rocha doa acervo a instituição privada de Portugal

Coleção do arquiteto tem 8 000 desenhos, 3 000 fotografias e um conjunto de maquetes; "Brasil não tem instituição como a nossa", diz diretor do instituto

Por Pedro Carvalho - 9 set 2020, 16h37

O arquiteto Paulo Mendes da Rocha, de 91 anos, vai doar seu acervo pessoal para a Casa da Arquitectura, uma instituição privada e sem fins lucrativos de Matosinhos, praia próxima à cidade do Porto, em Portugal. A coleção — que tem aproximadamente 8 000 desenhos, 3 000 fotografias e slides um conjunto de maquetes — será entregue nesta quinta-feira (10) ao instituto português, especializado em manter e divulgar acervos arquitetônicos.

Um dos principais nomes da arquitetura brasileira, Paulo Mendes da Rocha é autor de projetos em São Paulo como o MuBE (Museu Brasileiro da Escultura), o SESC 24 de Maio e a reforma da Pinacoteca do Estado. Em 2006, venceu o prêmio Pritzker, o mais importante do segmento.

A escolha provocou polêmica no setor. “Apesar de inúmeras tratativas e propostas de recebimento de seu acervo, a decisão soberana do arquiteto foi diversa de nossa expectativa”, diz um texto postado na página da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP — onde Paulo Mendes da Rocha lecionou em diferentes períodos desde os anos 1960. “Mais de 40 profissionais depositaram na FAU a confiança da guarda”, segue a nota da escola, que mantém o acervo de nomes como Ramos de Azevedo, Rino Levi e Vilanova Artigas. “Lamentamos a decisão de Paulo Mendes da Rocha”, conclui o texto.

A decisão, segundo pessoas que acompanham o processo, se deu porque a Casa de Arquitectura fez a proposta antes da FAU. “A FAU só se manifestou quando soube da intenção dele [de doar aos portugueses]. O Paulo foi convidado pelo governo de Portugal a projetar o Museu dos Coches [reinaugurado em 2015] e ali surgiu o convite [para o país receber o acervo]”, diz uma pessoa próxima ao arquiteto.

Além disso, a Casa da Arquitectura tem uma estrutura de primeira linha para guardar e exibir acervos arquitetônicos. “A obra estará disponível de maneira gratuita para visitações e em uma plataforma virtual que será inaugurada até o final do ano”, diz Nuno Sampaio, diretor da instituição. “Também vamos ceder sem custos imagens e documentos em alta resolução para pesquisadores e estudantes”, diz Sampaio. “O Brasil, infelizmente, não tem uma instituição dedicada exclusivamente a esta finalidade. E a biblioteca da FAU cobra para ceder imagens em alta resolução dos arquitetos mais renomados”, ele afirma.

Em 2018, a Casa de Arquitectura fez uma importante exposição global sobre arquitetura brasileira, na qual 55 000 itens foram doados ao acervo local. “Em maio de 2022, faremos a maior exposição jamais realizada sobre a obra de Paulo Mendes da Rocha”, completa Sampaio. 

Continua após a publicidade
Publicidade