Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Paralisação dos ônibus na capital afeta 1,5 milhão de pessoas 

Prefeitura pede aumento da multa aplicada a sindicato; confira quais ônibus estão circulando

Por Redação VEJA São Paulo 14 jun 2022, 14h12

A empresa que gerencia o transporte público na capital, a SPTrans, informou que 1,5 milhão de pessoas foram afetadas pela greve dos motoristas e cobradores deflagrada à 0h desta terça-feira (14).

+Com greve de motoristas de ônibus, rodízio é suspenso em São Paulo

Pelos cálculos da empresa, a paralisação afeta 713 linhas e 6 500 ônibus estão parados. Apenas alguns ônibus do subsistema local, que transportam os passageiros dos bairros até os terminais e perto de linhas de trens, estão rodando. Os demais estão todos parados.

A SPTrans já solicitou à Justiça a execução imediata da multa de 50 000 reais ao dia imposta ao sindicato dos trabalhadores pela paralisação. Além disso, pediu elevação o valor. A empresa diz lamentar a greve que ela desrespeitou uma decisão judicial conquistada junto à Justiça do Trabalho no dia 31 de maio, que previa a manutenção de 80% da frota nos bairros nos horários de pico (das 6h às 9h e das 16h às 19h), e de 60% nos demais horários.

+Google anuncia centro de engenharia em parceria com a USP

Como nenhum ônibus circulou no sistema estrutural –que liga os terminais de ônibus a outras regiões, sobretudo a central, por vias de grande movimento– a SPTrans informou entender que a medida não foi atendida. O sindicato dos motoristas e cobradores alegam que a paralisação não foi total, e que ainda existem ônibus circulando pela cidade.

Entre outras reivindicações, os trabalhadores querem reajuste salarial de R$ 12,47% retroativo a maio, e que o mesmo índice seja usado para o vale-refeição e o PLR (Participação nos Lucros e Resultados). A contraproposta dos donos das viações é a de pagar o reajuste apenas a partir de outubro.

+Internet aponta racismo estrutural durante programa ao vivo da Globo

Uma reunião entre patrões e empregados está marcada para as 15h desta quarta-feira (15) no TRT-2 (Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região). Os juízes vão decidir se o reajuste e todas as reivindicações devem ou não ser pagas pelos donos das empresas de ônibus. A prefeitura pediu para que essa reunião fosse antecipada para esta terça-feira (9), para que a greve fosse encerrada, e os ônibus voltassem a circular.

Continua após a publicidade

Em nota, o sindicato dos motoristas e cobradores antecipou que a greve continuará até que o dissídio seja julgado. Ou seja, a volta do paulistano para casa deverá ser complicada também no período da tarde.

A greve gerou aumento no congestionamento de veículos e plataformas de trens e metrô lotadas. O rodízio municipal de veículos foi suspenso, bem como as faixas exclusivas foram liberadas para o tráfego.

+Forever 21 tem data para fechar lojas no Brasil e promove queima estoque

Segundo a SPTrans, para tentar contornar os vários problemas enfrentados por quem depende de ônibus, algumas medidas foram adotadas. No terminal Campo Limpo, 12 linhas de ônibus estão sendo estendidas até a Vila Sônia, onde os passageiros podem realizar a integração com a linha 4-Amarela do metrô. Já as 11 linhas que vão até o terminal Vila Nova Cachoeirinha estão levando os passageiros até a estação Barra Funda da linha 3-Vermelha. Ônibus estão realizando o transporte de passageiros entre os terminais Varginha e Grajaú, onde é possível fazer a conexão com a linha 9 Esmeralda da CPTM.

Relação de empresas com a operação paralisada em suas garagens:

  • Santa Brígida (Zona Norte);
  • Gato Preto (Zona Norte);
  • Sambaíba (Zona Norte);
  • Express (Zona Leste);
  • Viação Metrópole (Zona Leste);
  • Ambiental (Zona Leste);
  • Via Sudeste (Zona Sudeste);
  • Campo Belo (Zona Sul);
  • Viação Grajaú (Zona Sul);
  • Gatusa (Zona Sul);
  •  KBPX (Zona Sul);
  • MobiBrasil (Zona Sul);
  • Viação Metrópole (Zona Sul);
  • Transppass (Zona Oeste); e
  • Gato Preto (Zona Oeste)

Relação das empresas operando normalmente – Grupo Local de Distribuição

  • Norte Buss (Zona Norte)
  • Spencer (Zona Norte)
  • Transunião (Zona Leste)
  • UPBUS (Zona Leste)
  • Pêssego (Zona Leste)
  • Allibus (Zona Leste)
  • Transunião (Zona Sudeste)
  • MoveBuss (Zona Leste)
  • A2 Transportes (Zona Sul)
  • Transwolff (Zona Sul)
  • Transcap (Zona Oeste)
  • Alfa Rodobus (Zona Oeste)

Fonte: Assessoria de Imprensa – SPTrans

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês