Clique e assine por apenas 6,90/mês

Novas práticas ajudam a inovar métodos de ensino de educadores

Para suprir a necessidade de mudanças na educação, o Instituto Edify oferece aos docentes cursos, fóruns e orientação

Por Abril Branded Content - Atualizado em 11 Sep 2019, 15h10 - Publicado em 11 Sep 2019, 14h57

Com as mudanças encabeçadas pela tecnologia, principalmente em relação ao uso da internet pela educação, e as novas descobertas no âmbito da neurociência e neuroeducação, escolas passaram a abordar conceitos da educação básica por meio do viés das habilidades do século 21. Essas capacidades estão divididas em três grandes domínios: o aspecto cognitivo da aprendizagem (criatividade, memória, pensamento crítico), a importância de relacionamentos interpessoais (expressar ideias, responder ao outro) e a habilidade intrapessoal (regular as emoções).

Essa nova visão da educação, que agora está claramente descrita na BNCC (Base Nacional Comum Curricular), exige de professores uma capacidade de adaptação, incorporação destes novos conceitos e uma atualização contínua profissional. Além de buscar um aprendizado mais atraente, é preciso conciliar o ensino inovador com as mudanças no setor – seja para acompanhar as novas diretrizes da Base Comum Curricular ou para atender o desejo do aluno de estar inserido em um espaço de aprendizagem mais prazeroso. Para atender a essas demandas e discuti-las, o Edify, programa bilíngue que faz parte da holding Spot Educação, criou o Instituto Edify.

O objetivo é formar uma rede para debate de ideias, promover espaços para experiências e criar soluções para os desafios educacionais. “Acreditamos que é possível mudar os paradigmas da educação, mas para isso é fundamental a valorização e a capacitação de professores e o investimento em sua formação. O Instituto Edify nasce para abraçar esta missão: habilitar, qualificar e inspirar os docentes para um ensino mais ativo e inovador”, conta Valéria França, gerente da instituição.

“O educador passa a ser o gerador da inovação pedagógica”

Valéria França, gerente do Instituto Edify

O programa é separado em três pilares: inspirar, formar e transformar.

Continua após a publicidade

 

 

Inspirar: fóruns e palestras

Propiciar trocas de ideias entre professores, coordenadores, diretores, estudantes e interessados nas novidades do universo escolar é objetivo dos fóruns e palestras promovidos pelo Instituto em diferentes regiões do Brasil. Neste ano, já aconteceram edições no Rio de Janeiro e em Vitória, e o próximo Fórum Edify, com o tema Novos Olhares para a Educação, será no dia 21 de setembro, das 8h às 17h, em São Paulo.

Formar: cursos, pesquisas e orientação

Para atualizar a formação, são oferecidos cursos, pesquisa, orientação e certificações internacionais – como Celta (Cambridge English Teaching Award) e Train the Trainer (Cambridge English Teaching Qualification). O curso Neuroeducação e Metodologias Ativas, por exemplo, acontece em São Paulo nos dias 4 e 11 de outubro. “Ele tem como objetivo apresentar os conceitos básicos da estrutura e das funções cerebrais no processo de aprendizagem, relacionar a neuroeducação à sua aplicação em sala de aula, explicar o conceito de metodologias ativas e mostrar estratégias pedagógicas para o aprendizado ativo”, explica Valéria.

Continua após a publicidade

Transformar: experiências imersivas

Nesse hub, o Instituto explora novas ideias por meio de atividades imersivas. “O educador passa a ser o gerador da inovação pedagógica. Ele compartilha novos olhares e experimentações com seus colegas em laboratórios criativos, hackathon ou artigos na Revista Instituto Edify, inspirando outros educadores a trazerem mudanças para a sala de aula e atuando na comunidade local como um agente de transformação”, conta.

Publicidade