Clique e assine por apenas 6,90/mês

Museu da Língua Portuguesa tem fachadas e esquadrias restauradas

Em visita, Geraldo Alckmin oficializa conclusão dessa etapa da recuperação do prédio da instituição. Reinauguração deve ficar para primeiro semestre de 2019

Por Tatiane de Assis - Atualizado em 6 Dec 2017, 18h42 - Publicado em 6 Dec 2017, 18h37

Na manhã desta terça (6), o governador do Estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, realizou uma visita ao prédio do Museu da Língua Portuguesa, na Estação da Luz, região central da capital. Alckmin oficializou a conclusão de mais uma etapa da recuperação do prédio: a restauração das fachadas e esquadrias e a manutenção da estrutura da torre do relógio (que ficou desligada desde o incêndio de 21 de dezembro de 2015). 

Interior da torre do relógio no Museu da Língua Portuguesa: estrutura não foi comprometida pelo incêndio, mas precisava de manutenção Joca Duarte/Divulgação/Veja SP

Na comitiva de Alckmin, que percorreu todos os pisos do museu, estava também o secretário de Cultura do Estado, José Luiz Penna, o arquiteto responsável pelo projeto de reabilitação das instalações, Wallace Caldas, e a coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico, Regina Célia Pousa Ponte.

Ao final da vistoria, o governador fez um comunicado geral sobre as obras entregues. Foi Caldas, depois, quem deu mais detalhes sobre o andamento do processo. “Nesses últimos onze meses, conseguimos restaurar as quatro fachadas. A grande novidade disso foi a recuperação das esquadrias. Conseguimos reaproveitar 17 metros cúbicos de madeira de peças que estavam no incêndio. Dividimos esses itens que eram de grandes dimensões em estruturas menores”, afirmou Caldas.

Prevista pelo governador para janeiro de 2019, a reinauguração do museu pode atrasar.  “Acho que é prudente termos um prazo mais elástico, o primeiro semestre de 2019”, afirmou o secretário Penna.

Continua após a publicidade

A verba investida na recuperação do Museu da Língua Portuguesa é de 65 milhões de reais. Os investimentos da iniciativa privada totalizam 36 milhões, divididos entre EDP (20 mi), Globo (10 mi) e Itaú (6 mi).

PRÓXIMOS PASSOS

A próxima etapa de recuperação das instalações do Museu da Língua Portuguesa será a construção de uma nova cobertura. Para isso, 28 toneladas de zinco, exportadas do Peru, e 60 metros cúbicos de madeira certificada foram compradas. Não há previsão do mês de 2018 em que essa fase será finalizada.

Paralelamente aos reparos na instalação, ocorre a discussão do conteúdo e as decisões sobre a expografia da instituição. A coordenadora da Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico adianta que haverá um nome novo na curadoria. Antes do incidente, Isa Ferraz ocupava o cargo.

Publicidade