Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Lojistas do Mercadão voltam a ser autuados um mês após “golpe da fruta”

Fiscalização do Procon constatou produtos sem informação de validade, sem preço correto ou mesmo informação de origem

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 24 mar 2022, 14h04 - Publicado em 24 mar 2022, 13h25

Mais de um mês após internautas denunciarem o “golpe da fruta” no Mercado Municipal de São Paulo, o Procon voltou novamente ao local e constatou novas irregularidades por parte dos lojistas.

+ Chuvas do último verão mataram 50 pessoas no estado de São Paulo

Nesta nova fiscalização, realizada nesta quarta-feira (23), 46 locais foram vistoriados e 18 deles foram autuados. Entre as irregularidades averiguadas, os estabelecimentos não informavam corretamente o preço dos produtos, estavam sem a indicação da data de validade ou mencionavam o preço por grama e não por quilo. Outra desconformidade era a de que não havia dados sobre a existência ou não de glúten.

“A administração da concessionária do Mercado Municipal está se omitindo. Ela precisa fechar os estabelecimentos e agir com mais energia para evitar que esses golpes sejam aplicados”, informou em nota o diretor executivo do Procon-SP, Fernando Capez.

Ele disse ainda que o órgão fará visitas surpresas e as blitzes serão constantes no local.

+ Agente da Fundação Casa está em coma induzido após ser espancado

A concessionária informou em nota que o Procon não informou à administração em quais boxes teriam sido constatadas irregularidades e quais seriam essas.

“Ressalte-se que, em relação à operação realizada no último dia 17/02/2021, a Mercado SP solicitou formalmente ao órgão as mesmas informações, ou seja, quais foram os boxes autuados e os motivos dessas autuações, não tendo ainda recebido as informações solicitadas”, diz trecho da nota.

A concessionária informa ainda que desde que assumiu o espaço, em setembro de 2021,  realiza fiscalizações e orientação. “Bem como aplica advertências e multas aos lojistas infratores, estando providenciando, neste momento, ações judiciais para rescisão de contratos de lojistas infratores e recalcitrantes”, diz.

A empresa diz ainda que o fato de o Procon-SP não ter flagrado o “golpe da fruta” corrobora que as medidas tomadas vem surtindo efeito.

“Como já salientamos, como a Mercado SP não tem poder de polícia, enquanto administradora do Mercado, contamos com a colaboração de todos, que podem e devem nos informar sobre qualquer tipo de irregularidade, constrangimento ou desrespeito, através do nosso pessoal, presencialmente no Mercadão e também pelo nosso serviço de atendimento ao usuário”, diz.

Continua após a publicidade

Os canais disponibilizados pela concessionária são os seguintes: o e-mail sac@mercadospspe.com.br e via redes sociais @nossomercadao.

“Desta forma, assim que formos informados, pelo Procon-SP, do resultado das duas fiscalizações realizadas, tomaremos as providências cabíveis, e previstas em contrato, em face dos infratores”, informa.

Primeiras denúncias

O “golpe da fruta” foi como ficou conhecida a prática irregular por parte de alguns vendedores de oferecerem o produto por um preço e cobrarem outro (bem superior), após a pesagem. Em um dos exemplos, uma laranja com acerola foi ofertada por 40 reais o quilo, porém, após a pesagem, o mesmo vendedor cobrou 190 reais do cliente.

+Doria nega “salve geral” de traficantes para saída do fluxo da Cracolândia

Um perfil no Instagram denominado @golpe_do_mercadao_sp foi criado e reúne dezenas de depoimentos de vítimas, segundo revelou reportagem da Vejinha no dia 12 de fevereiro último. Atualmente ele já conta com mais de 16 mil seguidores.

View this post on Instagram

A post shared by @golpe_do_mercadao_sp

Cinco dias após a divulgação das denúncias, no dia 17 de fevereiro, o Procon-SP multou 11 bancas das 17 visitadas. Segundo informações do órgão fiscalizador, foram identificados produtos com a validade vencida, porém, o “golpe da fruta” não foi flagrado.

Novas denúncias davam conta que a mortadela usada nos lanches –um dos ícones do local ao lado do pastel de bacalhau– era de uma marca inferior ao anunciado.

+“O faturamento do setor de frutas caiu de 30% a 40%”, diz diretor do Mercadão

Em entrevista à VEJA São Paulo publicada após as primeiras denúncias, no dia 24 de fevereiro, o diretor-presidente da concessionária que administra o local (a Mercado SP SPE), o paulistano Alexandre Germano, 46, havia afirmado que o “golpe da fruta” havia acabado.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês