Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Líder de facção criminosa é solto por comparsas horas depois de ser preso

Homens armados com fuzis atiraram contra agentes carcerários em delegacia de SP

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 14 jan 2022, 16h44 - Publicado em 14 jan 2022, 16h36

Dois homem que foram presos suspeitos de integrar uma facção criminosa foram resgatados horas após terem sido detidos pela Polícia Civil. O caso ocorreu na cidade de Guarujá na quinta-feira (13).

+ Homem acusa Raí de tê-lo chamado de ‘vagabundo’ e processa ex-jogador

Roberto Prieto Filho, apontado como líder da facção, e Pablo Ribeiro Lopes Santos foram presos em Itanhaém, suspeitos de tráfico de drogas. Eles foram levados para o 1ºDP do Guarujá e foram presos no local, onde aguardavam transporte para presídio. Durante a madrugada, no entanto, homem armados com fuzis conseguiram entrar na detenção da delegacia com escadas e abriram fogo contra os carcereiros.

Eles bloquearam as ruas do entorno com ônibus, para impedir a chegada da Polícia Militar. A ação durou cerca de 20 minutos e deixou cápsulas de balas pelas ruas da região.

De acordo com a polícia, ninguém ficou ferido após o ataque. Uma ação de recaptura tenta encontrar os fugitivos.

Continua após a publicidade

Publicidade