Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Homem é preso após falas homofóbicas e racistas na Mário de Andrade

Portando um livro de Hitler, ele associou pessoas negras a dependentes químicos e traficantes

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 3 ago 2022, 12h51 - Publicado em 3 ago 2022, 12h43

A Polícia Civil prendeu na terça-feira (2) um homem de 39 anos após ele desferir falas homofóbicas e cometer ato de racismo contra funcionárias da Biblioteca Mário de Andrade, na República, Centro da capital. O nome do acusado foi divulgado pelo governador Rodrigo Garcia (PSDB) em suas redes sociais. Trata-se de Wilho da Silva Brito, de 39 anos.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, ele foi preso por guardas civis metropolitanos por ofender duas mulheres, uma de 39 anos, e outra, de 66. Ele foi encaminhado ao 2º Distrito Policial, no Bom Retiro, e responderá pelos crimes de preconceito de raça ou de cor e injúria.

+TJ manda excluir post que associou engenheiras mulheres à cratera no metrô

Um vídeo que circula nas redes sociais mostra que ele estava ocupando uma das mesas do local e, em cima dela, estavam dispostos livros tais como “Minha Luta”, de Adolf Hitler, publicação que foi escrita quando ele estava na prisão cumprindo pena por tentativa de rebelião, em 1923. O livro serviu de espécie de guia ideológico do Partido Nazista e toda a tragédia que se seguiu depois com o nazismo.

As imagens mostram que algumas pessoas tentam dissuadi-lo, sem sucesso. Quanto mais ele é alertado a respeito de suas atitudes, piores são as suas falas. Em uma delas, ele diz literalmente não gostar de negro. “Eu não gosto de negro, a cultura deles é uma b*sta. Se prestasse, eles não eram discriminados pela sociedade”, diz. Confira abaixo.

Continua após a publicidade

Em nota, a Secretaria Municipal de Cultura informou repudiar veementemente as falas e atitudes homofóbicas e racistas do frequentador e que funcionários também foram até a delegacia para prestar depoimento. Um ouvidor da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania foi designado para acompanhar o caso.

“A biblioteca é um espaço público marcado pelo respeito à liberdade de gênero, raça, orientação sexual, credo e de celebração da diversidade e de todos os direitos individuais”, informa a nota.

View this post on Instagram

A post shared by Biblioteca Mário de Andrade (@bibliotecamariodeandrade)

Ainda segundo a pasta, tanto a biblioteca, quanto outros equipamentos culturais vem se empenhando em lidar com atitudes racistas, transfóbicas e misóginas em seus espaços.

A reportagem não conseguiu contato com Wilho ou mesmo saber se ele já constituiu defesa.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês