Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Fragmento de 20 toneladas, parte de foguete, cairá na Terra até amanhã (9)

Órgãos de defesa norte-americanos monitoram rota do objeto

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 8 Maio 2021, 17h06 - Publicado em 8 Maio 2021, 17h05

Um dos estágios do foguete chinês Longa Marcha CZ-5B cairá na Terra até amanhã (9), ainda com destino desconhecido. Dá-se o nome de estágio a uma das partes que compõem o veículo espacial. A peça em questão tem 30 metros de altura e 20 toneladas.

O foguete foi lançado em 29 de abril, com a missão de levar o primeiro módulo da nova estação da China ao espaço. O local exato da reentrada da peça só será conhecido algumas horas antes de acontecer.

“Temos esperança de que vá cair num lugar onde não fará mal a ninguém”, disse o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Lloyd Austin. “Esperamos que no oceano, ou num lugar assim”, acrescentou. A queda do fragmento de foguete está sendo monitorada por organismos ligados à segurança aeronáutica e defesa. Eles têm, ao menos, conhecimento da órbita que ocupa e a que altitude se encontra.

O foguete Longa Marcha CZ-5B tem, no total, 57 metros. Mas seu compartimento de carga, na “ponta” do foguete, tem bem menos, cerca de 27 metros e 25 toneladas. O restante do foguete, se desprende do compartimento de carga assim que sua função no lançamento é cumprida. Após o desacoplamento, esses estágios podem voltar à órbita da Terra.

Todos os dias pequenos pedaços de lixo espacial reentram na atmosfera terrestre. Chama-se lixo espacial todo material que tem ficado em órbita terrestre desde o início da exploração do espaço. Os pequenos pedaços, ao caírem, provocam fricção com a atmosfera terrestre e acabam incinerados ou desintegrados, não havendo preocupação.

Já partes maiores, como é o caso do CZ-5B, podem conseguir ultrapassar essa barreira natural e atingir o solo. A aeronave conta com depósitos de combustível com revestimentos reforçados. São estes enormes depósitos que podem cair em zonas habitáveis e provocar grandes estragos.

(Com informações da Agência Brasil e da agência RTP Notícias)

Continua após a publicidade
Publicidade