Filho de embaixador é detido por pichar monumento no centro

Responsável por ataque tem 26 anos e justificou na delegacia que sua ação foi para protestar contra o prefeito João Doria

Na madrugada desta quarta (25), O jornalista Pedro Amaral de Souza, de 26 anos, foi detido por guardas civis metropolitanos na Praça da Sé e conduzido até a 8ª Delegacia de Polícia localizada no Brás, na região central, por pichar um monumento feito em bronze, com 3,5 metros de altura, que fica em frente à Catedral. Para tanto, o rapaz utilizou-se de cascas de ovos cheias de tinta, arremessando-as contra a estátua. Pedro Amaral, que estaria acompanhado de um outro jovem, é filho do embaixador José Estanislau do Amaral Souza Neto, diretor-geral do Instituto Rio Branco, em Brasília.

A reportagem de VEJA SÃO PAULO esteve esta manhã no local de residência do acusado, um condomínio de casas de luxo no Real Park. Segundo a portaria, não havia ninguém em casa. Em Brasília, por meio de sua secretária, o embaixador disse que não vai se pronunciar.

Monumento Apóstolo Paulo, na Praça da Sé: pichado nesta madrugada Monumento Apóstolo Paulo, na Praça da Sé: pichado nesta madrugada

Monumento Apóstolo Paulo, na Praça da Sé: pichado nesta madrugada (Divulgação/)

Feita em bronze e com 3,5 metros, a estátua pichada fica em frente à Catedral da Sé e representa a imagem do Apóstolo Paulo. Inaugurada em 2009, foi um presente da Igreja Católica em homenagem aos 2 000 anos de nascimento do santo. Criada pelo escultor paulista Murilo Sá Toledo, a estátua representa a figura do apóstolo perplexo perante a voz de Deus.

De acordo com a ocorrência, Pedro Amaral de Souza disse estar “protestando contra diversas ações políticas” e “realizando intervenção artística”, mas que protestava principalmente contra o prefeito João Doria.

Repercussão – Acompanhado do arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, Doria depositou flores no pé da estátua e falou sobre a pintura. “Depositamos as flores aqui não só em homenagem, mas em solidariedade à tristeza que é. Isso é o vermelho do sangue”, afirmou o prefeito. “As pessoas que fazem isso não gostam da cidade de São Paulo. São pessoas que agridem a nossa cidade. São pessoas que não amam São Paulo. E por não amar São Paulo também não tem amor próprio. Quem não tem amor próprio não tem fé.”

O prefeito afirmou que pediu ao prefeito regional da Sé, Eduardo Odloak, que mantivesse a pintura exatamente como foi feita na madrugada. Na sequência, funcionários da Prefeitura iniciaram a limpeza do monumento. Antes, Doria havia participado de um ato cívico em homenagem ao aniversário da cidade no Pátio do Colégio, local de fundação de São Paulo, em 1554, bem próximo da Praça da Sé (com Mariana Gonzales e Estadão Conteúdo).

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. E o pai é o diretor do Instituto Rio Branco, que forma os nossos diplomatas. Por aí se vê o aparelhamento que a esquerda, via Lula e Dilma fizeram dos órgãos públicos brasileiros. É mais do que hora de a sociedade escolher de que lado está, se dos baderneiros ou da ordem; se da polícia ou dos bandidos; dos “artistas” pichadores e grafiteiros ou de quem pretende a cidade limpa e para todos. Falemos claro, se eu quiser ver uma obra de arte eu vou a um museu. Se não estiver a fim, não vou. Não me obriguem a ver todos os dias uma coisa de que eu não gosto numa via pública. Não estou obrigado a isso. Imaginem se os “artistas” grafiteiros resolvessem pintar o Arco do Triunfo em Paris, ou o Parlamento Inglês, ou o Vaticano, por que não? Parem de palhaçada e comecemos a falar e agir com seriedade.

  2. Giovani Cimardi Ruiz

    Gostaria de desafiar esta porcaria e pior, se diz Jornalista, a 5 minutos de conversa. Deve ser um lixo de pensamento o que ele pensa se é que pensa. Em país sério vaia para cadeia e fiança enorme o que faria ele pensar, se é que pensar, a fazer isto novamente.

  3. Angelo Silvestre

    Esquerda caviar

  4. Colombo Colombo

    Tem mais que prender essa cambada de vagabundos

  5. Estranho, Neto. Ele foi nomeado diretor do Instituto Rio Branco em 05/10/2016.

  6. Ana Vera Novelli

    Tinha que ser jornalista… O prefeito esta certíssimo!! Quem quiser pichar que va fazer isso na sua casa! Não pago imposto pra ficar limpando sujeira desses vagabundos! E melhor que prender, é fazer limpar !

  7. Nilton Santos Oliveira Junior

    O vagabundo ai vai pagar as despesas com a limpeza ou vai se esconder nas barbas do papai diplomata?!!!

  8. Marcos Ficarelli

    Estudou na USP? E o pai? Terá coragem de se explicar àqueles que o sustentam? Molequinho vagabundo!

  9. Alberto Cagnone

    Barnabe, incompetente,mal educado, vandalo, ignorante, o pai dele deve achá-lo um estorvo, uma dor de cabeça eterna. O pai e embaixador mas o filho mãos-abertas nada de educação, polidez, arte e estética. Enfim esse filho do embaixador e um estupido.

  10. Clovis Lemes

    Concordo com o comentário do nosso prefeito: “Quem não tem amor próprio não tem fé.” Agora quem se admira que o Trump despediu todos os embaixadores empregados pelo SOCIALISTA Obama?