Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Diretora de escolinha na zona leste investigada por maus-tratos se entrega

Ela estava foragida há mais de um mês; irmã já havia se apresentado e já está detida

Por Redação VEJA São Paulo 29 abr 2022, 12h18

A diretora da Escola de Educação Infantil Colmeia Mágica, Roberta Regina Serme Coutinho da Silva, de 40 anos, foi presa no final da noite desta quinta-feira (29) após se entregar numa delegacia de polícia de Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo.   A informação inicialmente foi noticiada pelo G1 e confirmada pela Vejinha.

+Polícia pede prisão preventiva de Saul Klein por crimes sexuais

Roberta é investiga por atos de tortura e maus-tratos contra as crianças da escolinha localizada na Vila Formosa, Zona Leste da capital. Roberta era considerada foragida da Justiça, já que teve o mandado de prisão decretado pela Justiça no dia 23 de março.

A investigação contra a escola foi aberta após a polícia averiguar vídeos que circulavam nas redes sociais mostrando crianças amarrados com lençóis em cadeirinhas em um banheiro da escola.

+PF prende suspeito de participação em assalto a bancos em Araçatuba

Relatos enviados à Polícia Civil dão conta de que crianças tinham cobertores colocados na cabeça para “abafar o choro ou forçá-las a dormir”. As crianças maiores seriam castigadas com castigos corporais quando praticavam atos de “indisciplina”, deixadas de pé por horas na sala da diretora, sentadas no chão ou em cadeiras, sem poder “comer sair, ou ir ao banheiro”. Muitas dessas crianças aparecem em imagens enviadas à Polícia Civil.

Continua após a publicidade

Além de Roberta, a sua irmã, Fernanda, de 37 anos, sócia na escola, também é alvo de investigação, bem como uma auxiliar de limpeza que trabalhava no estabelecimento. Fernanda foi presa em Mogi das Cruzes, também na região metropolitana de São Paulo, na última segunda-feira (25). Ela estava na casa de parentes.

+Chico Pinheiro deixa a Globo após 32 anos

As duas sempre negaram os crimes.

As duas devem permanecer na penitenciária feminina de Tremembé, no interior do estado, presídio que abriga presidiárias envolvidas em crimes de repercussão.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da VejaSP, diariamente atualizado.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Edições da VejaSP liberadas no App Veja de maneira imediata

a partir de R$ 12,90/mês