Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Deputado estadual do PC do B chama índios de “bando de veadinhos”

Áudios das frases de Fernando Furtado, do Maranhão, foram divulgados nas redes sociais. Parlamentar diz que se excedeu e que respeita índios e homossexuais

Por Estadão Conteúdo Atualizado em 5 dez 2016, 12h02 - Publicado em 22 set 2015, 11h48

O deputado estadual Fernando Furtado (PC do B-MA) chamou indígenas da terra Awá-Guajá de “bando de veadinhos” em uma audiência pública com produtores rurais em São João do Caru, no dia 4 de julho, de acordo com áudios divulgados na segunda-feira, 21, em redes sociais.

+ Moradores dos Jardins pedem à Câmara alterações na Lei de Zoneamento

“Lá em Brasília, o Arnaldo (Lacerda, presidente da Associação dos Produtores Rurais Caruenses) viu os índios tudo de camisetinha, tudo arrumadinho, com flechinha, tudo um bando de veadinho. Tinha uns três lá que eram veados que eu tenho certeza, veados. Eu não sabia que tinha índio veado, fui saber naquele dia em Brasília, tudo veado.

Então é desse jeito que tá, índio já consegue ser veado, boiola, e não consegue trabalhar e produzir? Negativo”, afirmou Furtado.

O deputado estadual disse ainda que “índio diz que não sabe plantar arroz, então morre de fome, desgraça, é a melhor coisa que tem, porque não sabe nem trabalhar”.

+ Discussões sobre Lei de Zoneamento antecipam disputa eleitoral 

Após a repercussão do caso, Furtado afirmou à reportagem que se excedeu em suas falas. “Às vezes, a gente se zanga e acaba sendo interpretado errado. Não tenho nada contra índio, contra homossexualismo, sempre respeitei. Agora, é lógico que tem momentos que a gente se extrapola”. Apesar do pedido do PC do B, Furtado não fez uma retratação pública na sessão de ontem, da Assembleia Legislativa em São Luís.

Continua após a publicidade

Reação

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), afirmou na segunda-feira, por meio do Twitter, que “discorda de qualquer discurso nessa linha”.

O secretário estadual de Direitos Humanos, Francisco Gonçalves (PT), e o presidente do PC do B no Maranhão, Márcio Jerry, foram procurados, porém ambos não responderam ao contato.

O PC do B do Maranhão divulgou uma nota de repúdio às frases do deputado do partido. A legenda declarou que “espera do parlamentar a devida retratação em relação aos indígenas, aos homossexuais; e ao partido”.

+ Confira as últimas notícias

O texto ainda afirmara que “as declarações do deputado ofendem não apenas índios e homossexuais, como também a história e o programa do Partido Comunista do Brasil, sempre à frente das lutas pela garantia da igualdade e dos Direitos Humanos”. Para a legenda, tratou-se de uma “manifestação individual” de Furtado, “pelo que se espera do parlamentar a devida retratação em relação aos indígenas, aos homossexuais; e ao partido”.

O deputado estadual, que era suplente, diz ser defensor dos pescadores e produtores rurais maranhenses. Ele é um dos fundadores do Sindicato dos Eletricitários do Estado e de sindicatos de pescadores em diversos municípios maranhenses.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês