Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Covas e Boulos farão o segundo turno “mais jovem” desde a redemocratização

Candidato do PSOL supera Márcio França (PSB) e Celso Russomanno (Republicanos) e vai decidir vaga com atual prefeito

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 16 nov 2020, 00h13 - Publicado em 15 nov 2020, 23h46

Os candidatos Bruno Covas (PSDB) e Guilherme Boulos (PSOL) irão disputar o segundo turno da eleição para a prefeitura de São Paulo, marcado para o dia 29. Com 99,67% das urnas apuradas até as 23h45, o atual prefeito tem 32,85 % dos votos válidos na primeira etapa da corrida, neste domingo (15). Boulos alcança 20,24% até o momento. Eles não podem mais ser ultrapassados pelos concorrentes. Com respectivos 40 e 38 anos, Covas e Boulos farão o segundo turno “mais jovem” desde a redemocratização na capital paulista.

Houve atrasos na divulgação dos resultados. Em 2020, o TSE centralizou as informações sobre os estados nos servidores de Brasília. O núcleo de um supercomputador do órgão funcionou mal e São Paulo acabou tendo a contagem mais lenta que o esperado, informou Luís Roberto Barroso, presidente do TSE. Em 2016, o resultado saiu oficialmente às 20h34.

A corrida pelo segundo turno foi disputada até os últimos momentos. Enquanto Covas disparava na liderança nas pesquisas, Boulos, Márcio França (PSB) e Celso Russomanno (Republicanos) travavam uma disputa apertada para enfrentar o tucano. França tem 13,65% dos votos válidos até agora, Russomanno marca 10,50%. Estreante da disputa, Arthur do Val, do Patriota, chega a 9,78%. O PT repete o desempenho ruim do último pleito, com Jilmar Tatto registrando 8,65% da preferência dos eleitores. Joice Hasselmann tem 1,84%.

No discurso após a divulgação dos primeiros resultados eleitorais, Covas deu o tom da campanha que fará no segundo turno contra Boulos. Ao lado de João Doria no palanque, o tucano insistiu em pintar o concorrente como um radical. “A esperança venceu os radicais no primeiro turno, e a esperança vai vencer os radicais no segundo turno”, disse o atual prefeito. “São Paulo quer eleger um prefeito, não quer ninguém que seja um ‘anti’, que seja totalitarista, que seja radical”, ele afirmou.

“Radicalismo para mim é a cidade mais rica do pais ter gente que revira o lixo pra comer. É no meio da pandemia a prefeitura manter hospital fechado. Radicalismo é o abandono do povo numa cidade como SP”, rebateu Boulos, em discurso feito no Campo Limpo, onde mora. No Twitter, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) declarou apoio ao candidato do PSOL: “Progressistas, ninguém arreda o pé de São Paulo até a vitória de @GuilhermeBoulos e a derrota dos tucanos. Vamos à luta.”, ele postou.

Continua após a publicidade

Neto do ex-governador Mário Covas (no cargo entre 1995 e 2001, quando foi vítima de um câncer com origem na bexiga), Covas nasceu e cresceu na militância tucana. Estudante do colégio Bandeirantes, ele se filiou ao partido aos 17 anos. Formou-se em Direito (USP) e Economia (PUC). Em 2018, assumiu a prefeitura no lugar de João Doria, que deixou o cargo para disputar o governo do estado — e de quem ele se distanciaria politicamente. Em outubro de 2019, descobriu um câncer no aparelho digestivo, ainda em tratamento. Tem como vice o vereador Ricardo Nunes, do MDB. 

Guilherme Boulos, 38, surgiu na cena política paulistana como líder do MTST, movimento que representa os sem-teto. Filho de um casal de infectologistas e professores da USP, ele cresceu na zona oeste paulistana. Aos 19 anos, deixou o conforto da classe média para morar em ocupações de pessoas sem moradia em Osasco. Graduado em Filosofia (USP) e mestre em psiquiatria (USP), atuou como professor na rede pública e em universidades. Após um resultado ruim na corrida presidencial de 2018 (com 0,58% dos votos), ele agora consegue superar a hegemonia do PT nos votos da esquerda paulistana. Tem como vice a ex-prefeita Luiza Erundina.

Nas últimas semanas, Boulos tinha registrado uma arrancada nas pesquisas eleitorais, enquanto Celso Russomanno (Republicanos) caiu. No sábado (14), um levantamento do Datafolha mostrou Covas com 37% dos votos válidos, seguido por Boulos com 17%, Márcio França (PSB) com 14% e Russomanno com 13%. Nas simulações de segundo turno, a mesma pesquisa mostrou que o tucano venceria Boulos por 57% a 30%. Nas vésperas do primeiro turno, o interesse pelos nomes de Covas e Boulos disparou nas buscas do Google.

Quando assumiu a prefeitura, em 2018, Covas se tornou o mais jovem prefeito a comandar São Paulo. Ele tinha 38 anos. Fernando Haddad (PT) tinha 49 quando venceu em 2012. Gilberto Kassab (PSD) sucedeu José Serra, em 2006, aos 45 anos de idade.

 

Continua após a publicidade
Publicidade