Clique e assine por apenas 5,90/mês

Conheça o projeto que constrói casinhas de livros em praças de Pinheiros

São quatro pontos de livros. As obras podem ser pegas, lidas e realocadas em outra casinha do projeto Livros Livres

Por Rafaela Bonilla - Atualizado em 21 fev 2020, 11h47 - Publicado em 21 fev 2020, 06h00

Se você cruzar com uma casinha dessas em São Paulo, sinta-se um privilegiado: ela faz parte do projeto Livros Livres, que tem quatro pontos em Pinheiros. Fruto de doações, os exemplares podem ser pegos, lidos, realocados em outra casinha… E, se não quiser devolver, tudo bem!

Lançada em 2018, a iniciativa é inspirada nas boîte à lire francesas, projeto que possui mais de 500 bibliotecas de rua só em Paris. A primeira casinha (foto), na Praça Japubá, foi construída com materiais reciclados depositados em caçambas.

“Os vizinhos e as pessoas que trabalham na região passaram a se encontrar em frente às casinhas para bater papo sobre literatura”, conta a responsável pela ação, que prefere não se identificar. Professora de idiomas, ela utiliza o pseudônimo de Emma, a personagem principal da obra Madame Bovary, que é ávida por leitura, para receber as doações de livros por meio da conta de Facebook Livros Livres da Praça Japubá. “O projeto é mais importante do que quem está atrás dele”, explica.

As obras que chegam ganham um carimbo para lembrar que não podem ser vendidas. Até o momento, mais de 5 000 exemplares já passaram pelas casinhas, que tem o acervo renovado quinzenalmente por Emma. Para quem deseja iniciar um ponto de troca em seu bairro, a professora deixa a dica: “Qualquer coisa serve para começar, uma gaveta ou uma caixa de feira. O importante é que fique protegido”.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 26 de fevereiro de 2020, edição nº 2675.

Continua após a publicidade
Publicidade