Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Cartas da edição 2464

Por Veja São Paulo Atualizado em 5 dez 2016, 11h39 - Publicado em 12 fev 2016, 23h00

Perfil

Parabenizo VEJA SÃO PAULO pela excelente reportagem sobre a francesa Alexandra Loras (“A consulesa cai no samba”, 10 de fevereiro). Sua militância contra o racismo deve servir de exemplo. Ela mostra que só o discurso não é suficiente. Alexandra vai a campo ensinar a pescar, e não simplesmente dar o peixe. Sinezio Silva Junior

Alexandra Loras é um exemplo para toda esposa de político do Brasil. Preocupada com o ser humano, ela arregaça as mangas, enquanto algumas personalidades apenas fazem pose nas redes sociais. Sua atuação no nosso país mostra que a verdadeira riqueza não está na conta bancária, mas sim no espírito. Suzel Felix

No Brasil, até hoje é possível ver más condutas da época da escravidão. Muita gente ainda não consegue ver o negro em posições de destaque. É vergonhoso e revela quanto estamos atrasados. Francisco Xavier Estalella

Saúde

Continua após a publicidade

A reportagem “A caça aos escorpiões” (10 de fevereiro) é uma verdadeira prestação de serviço à população. Em épocas de chuva e calor intenso, é cada vez mais comum a presença desses animais, que são um perigo iminente. As galinhas d’angolasão predadores naturais dos aracnídeos, mas não são suficientes para combatê-los. Devemos todos redobrar os cuidados com a limpeza de terrenos e agir rapidamente em caso de acidente. Ruvin Ber José Singal

Consumo

É perfeita a ideia de levar as feiras para dentro dos condomínios (“Sacolão na portaria”, 10 de fevereiro). Os comerciantes ficam no local até de noite e facilitam a vida de quem trabalha o dia todo e não tem tempo de fazer compras no fim de semana. Ficaria melhor ainda se, além das barracas de frutas e legumes, houvesse um pet truck para dar banho nos nossos bichinhos.Veronica Priscila Ribeiro

Ter uma feira dentro do condomínio é muito prático e mais seguro para osmoradores. No entanto, a medida pode ser prejudicial à cidade. Quanto menos pessoas nas ruas, mais inseguras elas ficam. Nossos governantes também se beneficiam desse serviço. Acabam sendo menos cobrados por manter o município limpo, organizado e sem violência. Marcelo Mota 

Comportamento

Sobre o texto “Dramalhão oriental” (10 de fevereiro), acho que os doramas deveriam ser transmitidos na televisão aberta no Brasil. Tenho certeza de que fariam muito sucesso por aqui. Cecília Jacobs

Continua após a publicidade
Publicidade