Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês

Bruno Covas toma posse em SP e diz que cidade está pronta para vacinação

Prefeito afirmou que a maioria da população teve comportamento exemplar durante pandemia

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 1 jan 2021, 17h36 - Publicado em 1 jan 2021, 16h53

Prefeito reeleito em São Paulo, Bruno Covas (PSDB), tomou posse nesta sexta-feira (1º) em cerimônia na Câmara Municipal. O evento iniciou às 15h e foi transmitido pelo YouTube. Covas afirmou, em discurso, que a prioridade da prefeitura é diminuir a desigualdade na capital paulista e que a maioria da população teve comportamento exemplar durante a pandemia do novo coronavírus.

“Apenas uma minoria colocou os interesses acima do pensamento coletivo”, afirma. Covas também citou a chegada da vacina em SP. “Nossa cidade está pronta para vacinar em massa. Mas ainda precisamos manter os cuidados”.

Para diminuir a desigualdade na cidade, o prefeito prometeu amparar a parte da população mais afetada pela pandemia, gerar empregos para jovens na periferia e ajudar comerciantes que tiveram prejuízos na quarentena. Ele também prometeu dar prioridade ao retorno seguro às aulas na cidade de São Paulo para não “comprometer irremediavelmente o futuro de milhões de nossas crianças e jovens”.

No discurso, Covas exaltou os valores da democracia e criticou o negacionismo em meio à pandemia da Covid-19. “política não é para intolerantes nem lacradores de redes sociais”, afirma. Em tom moderado, disse que é preciso ter “nem o estado máximo, nem o estado mínimo, tão somente o estado necessário”.

Pelos próximos quatro anos, o tucano terá pela frente ao menos 79 promessas. Algumas delas, não cumpridas na gestão anterior, foram refeitas. É o caso da construção de 12 CEUs (Centro Educacionais Unificados).

O vice-prefeito, Ricardo Nunes (MDB), afirmou que as metas na área de habitação não foram cumpridas por conta da pandemia e ressaltou os feitos da prefeitura na área da saúde. “Ninguém ficou sem tratamento, leito ou UTI”, disse.

Continua após a publicidade

Como determina o Regimento Interno da Casa, a cerimônia foi presidida pelo vereador mais velho entre os presentes, Eduardo Suplicy (PT), 79.

Suplicy fez um apelo ao prefeito e vice-prefeito para a criação da renda básica, projeto que o vereador luta há anos. Ele os presenteou com dois exemplares do livro Vamos Sonhar Juntos: O Caminho para um Futuro Melhor, escrito pelo Papa Francisco e que também defende o benefício.

Além de Covas e Nunes, tomaram posse também os 55 vereadores eleitos que formam a 18ª Legislatura, com mandato até 2024. O vereador Milton Leite (DEM) assumiu novamente a presidência da Câmara, assim como os vices, Rute Costa (PSDB) e Atilio Francisco (Republicanos).

Para evitar a propagação do novo coronavírus, a Mesa Diretora proibiu o acesso de pessoas na galeria do Plenário 1° de Maio. Os vereadores presentes puderam ser acompanhados por um funcionário e um convidado. Também foi recomendado que os parlamentares optassem pelo sistema virtual, mas quase 40 vereadores compareceram pessoalmente. O governador João Doria (PSDB) e outras 55 autoridades participaram da sessão por vídeo conferência.

Bruno Covas foi reeleito com 3,1 milhões de votos (59,31% do total), contra 2,1 milhões (40,62%) de seu adversário no segundo turno de votação, Guilherme Boulos.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90 

  • Continua após a publicidade
    Publicidade