Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Bruno Covas recebe alta hospitalar após quase duas semanas internado

Boletim médico diz que drenagem de líquidos foi bem sucedida e o prefeito está apto a manter suas atividades pessoais e profissionais

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 27 abr 2021, 16h15 - Publicado em 27 abr 2021, 16h09

O prefeito Bruno Covas recebeu alta hospitalar nesta terça-feira (27) após ficar cerca de duas semanas internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. O político, que enfrenta um câncer, foi diagnosticado com focos da doença no fígado e ossos após exames e, dias depois, com líquidos no pulmão e abdômen.

De acordo com boletim médico, a drenagem pleural foi bem sucedida, com redução do líquido e melhora clínica. “Com isso, o Prefeito acaba de receber alta hospitalar e está apto a manter suas atividades pessoais e profissionais, porém sem participar de agendas públicas por enquanto”, diz a equipe.

Covas enfrenta um câncer na região da cárdia, localizada na transição entre o estômago e o esôfago, com metástase em outras áreas do corpo. Na segunda (26), ele postou uma homenagem ao filho, agradecendo por estar ao seu lado, e disse que a vontade de viver é gigante.

Leia o comunicado na íntegra

O Prefeito Bruno Covas esteve internado, desde a última quinta-feira, dia 15, para o tratamento oncológico com um novo protocolo de quimioterapia em conjunto com imunoterapia.

O tratamento, bem tolerado, deverá prosseguir com aplicações de 48 horas a cada duas semanas.

A internação acabou se prologando devido ao acúmulo de líquido no espaço entre os pulmões e a pleura, dentro da caixa torácica.

O Prefeito foi submetido a drenagem pleural e seu quadro evoluiu com sucesso, com redução do líquido e melhora clínica.

Com isso, o Prefeito acaba de receber alta hospitalar e está apto a manter suas atividades pessoais e profissionais, porém sem participar de agendas públicas por enquanto.

Ele está sendo acompanhado pelas equipes médicas coordenadas pelo Prof. Dr. David Uip, Dr. Artur Katz, Dr. Tulio Eduardo Flesch Pfiffer e pelo Prof. Dr. Roberto Kalil Filho.

  • Continua após a publicidade
    Publicidade