Continua após publicidade

Atirador do Exército é acusado de estuprar menino de 11 anos em Peruíbe

A Divisão de Relações com a Mídia do Exército Brasileiro informou que vai acompanhar a investigação da Polícia Civil

Por Estadão Conteúdo
25 mar 2018, 16h25

Um atirador do Exército foi detido neste sábado (24) em Peruíbe, litoral sul de São Paulo, após ser apontado como autor do estupro de um menino de 11 anos. O crime teria acontecido há pouco mais de uma semana, mas o suspeito só foi identificado e preso depois de ser visto pelos pais do menor circulando de moto pela cidade. 

O acusado, de 19 anos, incorporado ao Tiro de Guerra 02/90, de Peruíbe, negou o crime, mas foi reconhecido pela vítima. A Polícia Civil requisitou exame pericial para confirmar se houve abuso. Por não ter havido flagrante, o suspeito foi liberado. A polícia aguarda o laudo da perícia para eventual pedido de prisão.

De acordo com a denúncia, o menino foi abordado pelo suspeito quando voltava para casa, após uma aula de educação física no Ginásio de Esportes do município. O atirador o levou para um matagal onde aconteceu o abuso. Para submetê-lo, o militar teria torcido o braço do garoto e depois o abandonou no local. 

Ao chegar em casa, o menino passou mal e foi levado para o pronto-socorro da cidade, onde teria sido constatado o abuso. O garoto descreveu para os pais as características físicas do suspeito, bem como da moto e da mochila que ele usava.

Continua após a publicidade

No sábado, o casal avistou uma pessoa com as mesmas características e acionou a polícia. Agentes de trânsito localizaram a moto e entraram em contato com a Polícia Militar. O suspeito foi detido na Avenida Governador Mário Covas. Na delegacia, ele negou o crime, mas foi indiciado em inquérito como suspeito de estupro.

A Divisão de Relações com a Mídia do Exército Brasileiro informou que vai acompanhar a investigação da Polícia Civil e as decisões da justiça para decidir o futuro do atirador do Tiro de Guerra. A identidade do suspeito não foi divulgada. Conforme a Polícia Civil, até a tarde deste domingo, 25, ele não tinha constituído advogado para acompanhar a investigação.

Publicidade

Essa é uma matéria fechada para assinantes.
Se você já é assinante clique aqui para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Para curtir o melhor de São Paulo!
Receba VEJA e VEJA SP impressas e tenha acesso digital a todos os títulos Abril.
Impressa + Digital no App
Impressa + Digital
Impressa + Digital no App

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique.

Assinando Veja você recebe semanalmente Veja SP* e tem acesso ilimitado ao site e às edições digitais nos aplicativos de Veja, Veja SP, Veja Rio, Veja Saúde, Claudia, Superinteressante, Quatro Rodas, Você SA e Você RH.
*Para assinantes da cidade de São Paulo

a partir de R$ 39,90/mês

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.