Arte na capital: os destaques da semana

As melhores dicas das exposições em cartaz em museus, galerias e centros culturais da cidade

O cenário das artes ainda está começando a esquentar na capital. Enquanto galerias e museus preparam sua estreia em 2017, selecionamos novidades que valem a visita nesse início do ano.

8° Salão dos Artistas Sem Galeria

A iniciativa ajuda nomes ainda não representados por espaços comerciais a chamar atenção no mercado da arte. O projeto anual inaugura sua oitava edição com exposição de dez artistas — selecionados entre os quase 200 inscritos de todo o país. Na capital, trabalhos como Landscape (acima), de Lula Lancardi, são apresentados nas galerias Sancovsky, cuja mostra está em cartaz desde a última quinta, e Zipper, que abre suas portas na terça (17/1). A iniciativa também se espalha por galerias em Belo Horizonte, Goiânia e Rio de Janeiro. Até 4/3/2017.

Beleza Americana, no MIS

Roupas de banho espalhafatosas, batons e unhas ultracoloridos e poses ostensivas estão estampados em todas as fotografias de Paula Clerman. Assim como o renomado Martin Parr, britânico que ganhou grande individual no MIS no ano passado (a foto acima faz referência literal a um de seus cliques), a paulistana escolheu as praias como cenário para seu ensaio quase kitsch. Intitulada Beleza Americana, a série foi feita na costa sul dos Estados Unidos. Onde prevalecem os padrões de beleza de Hollywood, Paula usa cores exageradas para enfatizar sua ironia e questionar quão difícil é adaptar modelos à vida real. Até 29/1/2017.

Paisagens Invisíveis, no Mube

Não há nada para ver em Paisagens Invisíveis — apenas para ouvir. A mostra é composta de treze trilhas sonoras, criadas por artistas como Lenora de Barros, Detanico Lain e Chel pa Ferro. No prédio vazio, feixes de luz conduzem o visitante. O público é convidado, então, a usar a criatividade. Barulhos da natureza, monólogos e até sons de tiro estimulam a imaginação dos visitantes. Até 29/1/2017.

Hallstatt, no Galpão Fortes D’Aloia & Gabriel

Título da mostra no Galpão Fortes D’Aloia & Gabriel, Hallstatt é também o nome de um vilarejo na Áustria. Sua exuberância foi copiada pelos chineses, que fizeram uma réplica da cidade em seu país. O conceito de duplicidade é o gancho para a coletiva, explorado na obra de treze artistas, a exemplo de Amazons (Painting IV), de Alexandre da Cunha. Até 10/2/2017.

 

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s