Clique e assine por apenas 6,90/mês

Arquiteta Beatriz Vanzolini lança livro e curso sobre viver na cidade

Em parceria com Vinicius Andrade,"Aprendendo a Viver na Cidade" retrata assuntos cruciais para o cotidiano das cidades

Por Helena Galante - 8 mar 2019, 06h00

Longe de serem consenso entre profissionais, assuntos cruciais para o cotidiano das cidades como mobilidade, segurança, economia informal e infraestrutura são tema do recém-lançado Aprendendo a Viver na Cidade, da BEI Editora. A iniciativa ganha ares mais ousados se considerado o público do livro: alunos do ensino fundamental e médio. “No Brasil, temos a taxa de 85% de população urbana, uma das maiores do mundo. Para resolver os problemas das cidades em colapso, é preciso que a sociedade civil tenha formação sobre seu hábitat, e o desenvolvimento dessa consciência urbana começa na escola”, afirma a arquiteta e urbanista Beatriz Vanzolini, autora da publicação junto com Vinicius Andrade, sócio-fundador do escritório Andrade Morettin.

Calçadão de Praga, na República Checa, é um modelo de manutenção das vias Igor Stevanovic/BEI Editor/Divulgação

O material paradidático passou a ser elaborado há dois anos, no embalo de outro projeto de sucesso do qual a dupla participa, o curso executivo Inovação Urbana: Novas Formas de Fazer Cidades, ministrado no Insper em parceria com a plataforma Arq.Futuro. “Parte das quarenta horas de aulas correspondia a atividades de reconhecimento territorial, que instigam a observar as transformações do espaço, perceber como são as dinâmicas de convivência a partir de uma ida à praça ao lado da instituição, por exemplo. O urbanismo não é campo exclusivo dos arquitetos, ele é diverso”, completa Beatriz, formada pela Escola da Cidade, localizada na Vila Buarque, em 2009. “No Insper, mostramos a dimensão da atuação do cidadão na cidade e queríamos levar essa mesma experiência para um público mais jovem”, conta Tomas Alvim, à frente da direção da Arq.Futuro e da BEI Editora junto de Marisa Moreira Salles. “Tomas nos procurou para desenvolver o projeto para escolas e chegamos a uma pedagogia baseada em projetos sugeridos ao final de cada capítulo”, completa Beatriz.

Publicação da BEI Editora, vendida por 70 reais: indicada para o ensino fundamental e médio Divulgação/Divulgação

Desde as primeiras seções, é reforçada a noção de que a cidade não é feita só da soma de ruas, praças, prédios, casas e outras construções, mas também de todas as pessoas que nela vivem. Na parte dedicada às ruas e calçadas, exemplos de outros países, como o do calçadão de Praga, na República Checa, são utilizados para questionar o modelo de manutenção dessas vias. Enquanto aqui predomina a regra que responsabiliza os proprietários de imóveis, alguns setores do meio urbanístico consideram que o poder público deveria assumir essa atribuição. A atividade sugerida é um debate na sala sobre as formas de zelar pelas calçadas. Para quem quer saber mais sobre a temática, são indicados outros livros, filmes, vídeos e áudios (acessíveis também por QR Code). Fazem parte do conteúdo produzido para dar apoio ao livro raps compostos por Rafael Gomes, o MC MMoneis. “Aprender a viver na cidade é lidar com as adversidades com muita criatividade”, resume num dos vídeos o MC. “No lançamento, tivemos a presença da Regina Meyer, uma das mentes mais importantes do urbanismo no Brasil, da Beatriz, uma jovem brilhante que está se propondo a pensar a cidade, e de um rapper do Grajaú que participou ativamente do trabalho. Encontros interessantes como esse, só uma cidade proporciona”, diz Alvim.

Uma das autoras: “Os alunos fazem parte da construção das cidades” Alexandre Battibugli/Veja SP

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 13 de março de 2019, edição nº 2625.

 

Continua após a publicidade
Publicidade