Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Animais do Parque da Água Branca são confinados; dois morrem

Segundo a Secretaria Estadual do Meio Ambiente, a medida é uma forma de controle populacional desses animais. Frequentadores do parque criticam a decisão

Por Adriana Farias 7 abr 2017, 20h10

Conhecido como um dos poucos refúgios com características rurais que restam na capital, o Parque Doutor Fernando Costa, ou Parque da Água Branca, na Zona Oeste, confinou há vinte dias suas centenas de galinhas. Trata-se de um fato inédito para a área verde, cujo grande trunfo era justamente ter os bichos soltos pela área de 137 000 metros quadrados, ao lado de patos, marrecos, galinhas d’angola e caipira e pavões.  Nesse período, ao menos dois animais morreram.

“A situação está terrível. Elas estão presas em um lugar minúsculo”, diz a atriz Julia Bobrow, que já resgatou um galo à beira da morte no parque no final do ano passado. “Os animais estão brigando entre si e se matando”.

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente diz, em nota a VEJA SÃO PAULO, que a prisão das fêmeas ocorreu por estarem em número desproporcional em relação aos machos, sendo uma uma forma de controle populacional. “A proporção é de oito galos para uma galinha. O ideal deveria ser o contrário”, diz. “O confinamento iniciou-se após um estudo feito pela Coordenadoria de Parques Urbanos (CPU), em conjunto com a Coordenadoria de Biodiversidade e Recursos Naturais (CBRN), onde definiu-se que essa seria a melhor forma de manter os animais”.

Uma das galinhas confinadas: ao menos duas faleceram na área Julia Bobrow/Veja SP

A secretaria não informa o tamanho do local destinado às aves, mas diz que estão numa área apropriada chamada “espaço zootécnico” e “não brigam entre si, recebendo monitoramento diário da administração”. Questionada sobre o motivo da morte das duas galinhas, a pasta se limitou a dizer que “os animais morrem em decorrência da idade”. “Não temos uma estimativa de mortes, mas, recentemente, teve início um trabalho de controle que permite acompanhar mais de perto a situação deles e identificar eventuais problemas, caso venham a ocorrer”.

A atriz Julia Bobrow que salvou um galo todo machucado no parque em dezembro de 2016: indignação Alexandre Batti/Veja SP

O Movimento SOS Parque da Água Branca, integrado por moradores e frequentadores do espaço, critica o confinamento e está pedindo reunião com a direção para que haja outra forma de manejo dos bichos. “Isso provoca um mal-estar para o animal que sempre se viu livre naquele espaço e, agora, está preso”, critica Claudia Lukianchuki, membro da entidade.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Para entender e curtir o melhor de SP, Veja São Paulo. Assine e continue lendo.

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da VejaSP! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Resenhas dos melhores restaurantes, bares e endereços de comidinhas de São Paulo.

Receba semanalmente VejaSP impressa mais acesso imediato às edições digitais no App Veja, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês