Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

A partir de maio, Alameda Jaú terá 450 metros com mão dupla

Mudança viária, que permitirá o fluxo de carros em direção ao Paraíso, será feita entre a Avenida Brigadeiro Luís Antonio e a Alameda Campinas

Por Veja São Paulo Atualizado em 27 dez 2016, 18h32 - Publicado em 14 abr 2016, 10h26

Em 30 dias, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) vai transformar um trecho de 450 metros da Alameda Jaú, nos Jardins em uma via de mão dupla, entre a Avenida Brigadeiro Luís Antônio e a Alameda Campinas. A mudança no viário, que hoje atende só motoristas no sentido centro, vai possibilitar que os carros trafeguem também na direção do Paraíso. 

A companhia garantiu a permanência das vagas de Zona Azul e dos pontos de táxi à esquerda. De acordo com Valtair Valadão, diretor de Operações da CET, o volume de automóveis no trecho de duas quadras caiu de 1 300, nos horários mais movimentados, para 600 veículos.

Número de mortes no trânsito na capital cai 20,6% em 2015

Isso desde a mudança na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, que em fevereiro acabou com as conversões à esquerda para quem sobe a avenida. “Vamos fazer um redimensionamento das faixas. Já detectamos a possibilidade de alteração, mas também estudamos outras vias para melhorar a acessibilidade aos bairros lindeiros à Brigadeiro”, disse o engenheiro.

Valadão explica que a nova mão dupla, além de oferecer uma opção de trajeto, vai reduzir o trânsito dentro do bairro após a alteração feita há mais de um mês na região. Vias como as Alamedas Lorena e Campinas sentiram o impacto no aumento dos congestionamentos de motoristas que usavam as duas vias para fugir da Brigadeiro Luís Antônio. 

Continua após a publicidade

Estreitamento

Para criar as novas faixas na Alameda Jaú, mantendo as vagas de estacionamento e os pontos de parada dos táxis, a CET vai pintar pistas estreitas. Os pedestres e os motoristas que usam o trecho da futura mão dupla estão divididos sobre a novidade. 

+ Trânsito no pico da tarde cai 16% na capital

Para a recepcionista Loudes Areze, de 19 anos, é positiva. “Pego muito táxi na direção da Rua da Consolação e comecei a ter dificuldade porque os taxistas não conseguem mais sair da Brigadeiro”, afirmou. 

Já o advogado Pedro Jorge da Costa Nassar Cury, que moveu um abaixo-assinado contra a alteração na Avenida Brigadeiro Luís Antônio, é também contra a mudança na Jaú. “É sacanagem do (prefeito) Haddad com o motorista. Ele quer que todo mundo ande de bicicleta. E agora a Prefeitura resolve fazer testes, alterando a mão de mais uma rua”, afirmou.

Anteontem, o secretário de Transportes, Jilmar Tatto, admitiu que alguns motoristas podem incomodar-se com mais uma mudança. “Mas não temos (na pasta) preconceitos em relação a carros. Se tem uma coisa que todo mundo adora aqui é automóvel, tanto é que todo mundo tem carro.” 

Continua após a publicidade
Publicidade