Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Vizinhança organiza “vigília” contra prédio na região do Jardim América

Com velas nas mãos, vinte pessoas protestaram contra edifício que ameaça a vista privilegiada de alguns dos moradores do bairro

Por Humberto Abdo Atualizado em 24 out 2020, 22h01 - Publicado em 24 out 2020, 09h30

Na rua Estados Unidos, moradores do Jardim América se reuniram para organizar uma “vigília” durante a noite de sexta (23). Com faixas de protesto e velas nas mãos, cerca de dez a vinte pessoas ficaram paradas em frente ao local por duas horas. O motivo da demonstração: um prédio de dezesseis andares que será construído por lá e promete atrapalhar a vista de parte da vizinhança.

Projetado pelos arquitetos do escritório Triptyque, o futuro edifício incomoda alguns moradores, que defendem que o empreendimento contraria as regras de tombamento da região — ironicamente, vários prédios altos já ocupam o bairro sem causar protestos.

Na Estados Unidos, vários prédios já ocupam a via: moradores temem novo prédio alto capaz de atrapalhar a vista privilegiada da cidade. Raul Juste Lores/Veja SP

Regina Duarte, uma das privilegiadas moradoras de prédios altos nos Jardins, também chegou a protestar contra o caso no Instagram: “S.O.S Rua Estados Unidos. Tem cabimento?” Desde setembro, várias pequenas manifestações foram organizadas na rua por membros da vizinhança.

Em nota publicada pela Vejinha, a prefeitura afirmou que o alvará para o prédio foi emitido em 2017 e analisado com base na antiga Lei de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo e novo Plano Diretor Estratégico. Respeitou, portanto, as regras vigentes na data do protocolo. A incorporadora BSP, responsável pelo projeto, disse que “a obra se encontra com todas as licenças emitidas e válidas”.

“Eles pegaram esse ‘hiato’ na troca da regulamentação, fizeram um protocolo e o projeto foi aprovado, mas a legislação nunca permitiu isso”, acredita Daniela Cerri Seibel, presidente da associação AME Jardins.

O formato do protesto foi sugerido por uma das moradores no grupo do bairro. “Perguntaram se tinha a ver com o Halloween e até brinquei dizendo que é mesmo uma história de terror”, exagera.

Formato de vigília com velas e faixas de protesto na Estados Unidos foi sugestão de uma das moradoras do bairro. AME Jardins/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

  • Continua após a publicidade
    Publicidade