Clique e assine por apenas 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Doze dicas de Tony Robbins, o papa do coach

Famosos, como a família Abravanel e a atriz Ellen Rocche foram conferir a palestra do americano nesta quinta

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 14 Aug 2018, 14h30 - Publicado em 10 Aug 2018, 13h45

Considerado o “papa do coach”, o americano Tony Robbins fez sua primeira apresentação na América Latina na quinta (9), no SP Expo, na região do Jabaquara. Não apenas por conta de seus 2,01 metros de altura, trata-se de um gigante na área: cuida de personalidades como Arnold Schwarzenegger e o ator Anthony Hopkins e seus livros já venderam mais de 35 milhões de exemplares no mundo inteiro.

O evento organizado pela Indústria do Conhecimento começou às 8h e terminou às 20h, com diversas palestras. A exposição de Tony foi a última. Ele entrou no palco por volta das 15h e, por quase quatro horas, atraiu a atenção de mais de 10 000 pessoas (que pagaram ingressos enter 1 722 e 5 562 reais).

Na área VIP, diversas personalidades apareceram por lá, como a família Abravanel. Patricia, aliás, foi a mestre de cerimônia. “Ele ensina que todos temos a responsabilidade pelos problemas que enfrentamos e só nós podemos mudá-los”, disse Renata Abravanel, a filha “número seis” de Silvio Santos (que não apareceu por lá). Na primeira fila, cantaram, dançaram e se empolgaram com todas as atividades propostas por Robbins.

Além das “mulheres do dono do SBT”, estiveram por lá a atriz Ellen Rocche, o ator Daniel Boaventura e a empresária Cris Arcangeli (que registrou praticamente toda a palestra em seu celular).

Continua após a publicidade

A seguir, as doze dicas ensinadas pelo coach:

  • Manter uma energia “alta” é o principal mandamento. A forma com que você se move, impacta em como você se sente e sua interação com os outros. Vale a pena manter a postura ereta, o diafragma expandido. “Dessa forma, recebemos mais oxigênio, o organismo reage melhor, você se sente melhor e começa um ciclo positivo na sua vida”, ensina o coach. “Mexer o corpo faz você se sentir vivo”, completa.
  • De dieta a investimentos, no fundo, as pessoas sabem o que precisam fazer para transformar a vida, mas acabam adiando seus planos. Isso ocorre por causa de um ciclo chamado “momentum”, que engloba crença/certeza, potencial, ação e resultados. Se transformar a crença, transforma-se tudo.
  • A maioria de nós tem um potencial ilimitado, mas acaba usando nem 50% desse poder por falta de crença.
  • Há duas forças que influenciam nossas decisões: o estado atual e um modelo de mundo. Pelo menos uma vez por dia, vale a pena visualizar o objetivo, sentir como se tivesse alcançado esse ideal. Vale qualquer um, de amoroso a profissional.
  • Segundo Robbins, a vida é a intersecção entre seus medos e seus desejos. Se o seu medo diminui e o desejo aumenta, o cotidiano vai melhorar.
  • Geralmente, as pessoas começam a viver quando encaram a morte de perto. Aí, percebem que deveriam ter feito aquela declaração de amor, tomado uma determinada decisão profissional, etc… É preciso parar de procrastinar e viver cada dia com a consciência de que tudo pode acabar de uma hora para outra.
  • Todos costumamos viver presos em uma própria caixa de crenças, sem olhar para o outro. Empatia é fundamental para uma vida de sucesso.
  • Normalmente, as pessoas costumam culpar os outros pelos seus problemas. É falta de tempo, dinheiro, energia, educação, chefe chato, político corrupto… A questão: a mudança sempre começa por você. É preciso encarar cada obstáculo como algo pessoal e não ficar paralisado e “jogar” a questão para os outros.
  • Emoções são o recurso supremo. Precisamos zelar por nossa criatividade, compromisso, determinação, certeza, flexibilidade, conexão, compaixão e visão.
  • Se você interage com o outro com raiva ou medo, receberá do outro raiva e medo. Se demonstra cuidado, afeto, certeza e empolgação, receberá também essas qualidades do interlocutor.
  • Você releva se uma criança briga com você, certo? Não fica chateado, nem leva para o pessoal, normalmente. Por que então se abalar por xingamentos de adultos descontrolados? Deveríamos manter esse mesmo distanciamento quando qualquer pessoa nos agride.
  • Sinta o seu coração, relembre suas melhores emoções e projete para o futuro. Todas as respostas que precisamos estão em nossa vivência, emoções, enfim, em nosso coração.
Publicidade