Clique e assine com até 89% de desconto
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Professora defende obra de artista Júlio Guerra, criador do Borba Gato

"A elite paulistana nunca aceitou o Borba", observa a docente da USP sobre monumento do bandeirante feita pelo escultor Júlio Guerra

Por Humberto Abdo Atualizado em 25 jun 2020, 10h31 - Publicado em 26 jun 2020, 06h00

Na Avenida Santo Amaro, a estátua de Borba Gato, bandeirante considerado símbolo do extermínio indígena no Brasil colonial, voltou a causar polêmica ao ser citada nas redes sociais por grupos que defendem sua derrubada. “Se a cidade quer ressignificar seus monumentos, que troque o nome dele”, defende Cristina Costa, 70, professora da Escola de Comunicações e Artes da USP, que publicou um texto a favor do artista da obra, Júlio Guerra (na foto), e em 1994 foi curadora de sua retrospectiva na Pinacoteca do Estado. “Ele quis fazer um bandeirante como alguém capaz de defender fronteiras, por isso está na entrada de Santo Amaro”, descreve. A estátua, produzida com técnica em ladrilhos e inaugurada em 1963, chegou a ser alvo de pichações em 2016. “Trabalho há vinte anos com liberdade de expressão e sei que todas essas atitudes em defesa do politicamente correto cometem equívocos incríveis”, critica. “A elite paulistana nunca aceitou o Borba, chamado de bonecão, ferindo o gosto europeu dos nossos críticos. É o único monumento de arte popular de São Paulo, basta olhar, sem patrulhas”, argumenta.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 1º de julho de 2020, edição nº 2693.

  • Publicidade