Clique e assine com até 89% de desconto
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

“Preciso provar ser merecedora o tempo todo”, desabafa delegada

Primeira mulher presidente do Sindicato dos Delegados, Raquel Gallinati criou movimento para combater machismo na Polícia Civil

Por Humberto Abdo Atualizado em 27 ago 2020, 23h47 - Publicado em 28 ago 2020, 06h00

No segundo mandato, Raquel Gallinati é a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo. “Tenho a sensação de que preciso provar ser merecedora o tempo todo”, desabafa. Com apenas 24,6% de mulheres integrando a Polícia Civil, ela decidiu criar o Movimento Mulheres na Segurança Pública para combater o comportamento machista e estimular a presença feminina na polícia com ações de incentivo, como palestras em escolas e faculdades de direito sobre como ingressar na área, e maior participação nas discussões sobre segurança pública. Pela escassez de mulheres, muitas são selecionadas para atender em Delegacias de Defesa da Mulher. “Isso cria uma violência institucional de gênero dentro da polícia, porque não se permite que a mulher tenha a escolha de exercer sua profissão por aptidão”, critica. Mesmo em um cargo de presidente, Raquel ainda presencia preconceitos. “Em ocasiões com várias autoridades, já ouvi comentários como ‘junte-se a nós para embelezar a mesa’. Precisei responder ‘obrigada pelo elogio, mas minha presença existe não por aspecto decorativo e sim porque tenho algo a dizer.”

Raquel Gallinati é a primeira mulher a ocupar o cargo de presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo. Thatiane Abreu/Divulgação

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 2 de setembro de 2020, edição nº 2702.

  • Publicidade