Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Moradores organizam protesto contra cercamento da Praça Pôr do Sol

Aprovada pela prefeitura, instalação de alambrados é defendida por duas associações de bairro; vizinhança fez abaixo-assinado para barrar a obra

Por Humberto Abdo Atualizado em 25 mar 2021, 10h56 - Publicado em 23 fev 2021, 11h56

Após convencerem a prefeitura a instalar um alambrado em torno da Praça Pôr do Sol, no Alto de Pinheiros, as associações de moradores do bairro enfrentam oposição à nova obra, que vai custar 652 953,78 reais no total — uma instalação pleiteada pelo movimento “não no meu quintal” da região e paga pela gestão municipal. “Parece um campo de concentração”, define Flávio Scavasin, que integra o grupo de vizinhos unidos contra a praça fechada. O pedido da obra foi feito pela Associação Amigos do Alto de Pinheiros (Saap) e pela Associação de Moradores de City Boaçava. “Não fizeram qualquer consulta à sociedade. Um abaixo-assinado nosso já tem 1 500 nomes enquanto essas duas associações representam pouquíssimas pessoas.”

Para Flávio, a praça deveria ser considerada um mirante em área urbana aberto para visitação e casos envolvendo barulho, violência e depredação (entre as principais queixas das associações) poderiam ser resolvidos com policiamento e fiscalização. “É um tiro no pé a prefeitura manter aquilo”, critica. Neste domingo (28), às 16h, o grupo planeja um ato simbólico em frente à praça com um “grande abraço contra o cercamento”. 

Precisando de reparos e revitalização, prefeitura gasta 650 000 reais em tela para cercar a Praça Pôr do Sol.
Precisando de reparos e revitalização, prefeitura gasta 650 000 reais em tela para cercar a Praça Pôr do Sol. Flávio Scavasin/Reprodução

Marcia Kalvon Woods, presidente voluntária da Saap, questiona a estrutura do grupo. “Quem nos questiona é zero transparência, sem liderança e nem assinatura tem. Nós temos uma governança, estatuto, prestamos contas”, justifica. “E também achamos que praça não deve ser fechada, exceto à noite, pois é quando acontece a depredação. Desde 2014 tentamos alternativas para revitalizar a praça, então é muito fácil ser contra. Espero que essa mobilização e comoção durem.”

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Em nota, a prefeitura afirma que a obra irá atuar para a conservação do local, “que contém características de parque e recebe grande quantidade de frequentadores.” Os horários de fechamento e abertura do local, assim como sua capacidade, estão em fase de estudos. “Foram instalados alambrados em vez de grades, por ser mais econômico”, diz a prefeitura.

+Assine a Vejinha a partir de 6,90

Publicado em VEJA São Paulo de 3 de março de 2021, edição nº 2727

  • +Assine a Vejinha a partir de 6,90

    Continua após a publicidade
    Publicidade