Clique e assine por apenas 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade.

Luciano Huck e outros famosos participam de leilão em prol de prisioneiras

A filantropa Patrícia Villela Marino, mulher de um dos herdeiros do Itaú, arrecadou mais de 54 000 reais para artesãs de Tremembé

Por Ana Carolina Soares - 17 Oct 2018, 19h05

Nesta terça (16), às 19h, um grupo de cerca de setenta pessoas estiveram no Civi-co, em Pinheiros, prédio que une empresas a organizações não-governamentais. Foi o leilão de lançamento do projeto Tereza Vale a Pena, da ONG Humanitas360. Trata-se de uma cooperativa de presas que produz artesanato de segunda a sexta, em uma jornada de trabalho de oito horas por dia.

A organização fornece todo o material, além de oferecer aulas de arte, corte, costura, crochê, tricô e design. Ao contrário do que ocorre em outros presídios, a detenta recebe de acordo com sua capacidade de produção — a renda dos artigos comercializados é dividida entre as participantes. Além disso, elas têm a possibilidade de seguir no programa após ganhar a liberdade.

Entre os convidados, estavam a apresentadora Luciana Gimenez, os empresários Elie Horn (ex-presidente do grupo Cyrela) e Rodrigo Rivellino (filho de Roberto Rivellino, ídolo corinthiano). A turma levou todos os nove lotes disponíveis, que foram vendidos com valores entre 6 000 e 14 000 reais cada. Luciano Huck não conseguiu comparecer pessoalmente, mas arrematou online um kit com uma colcha de crochê e uma sacola.

“Das nossas casas, a gente não abriria as portas para as visitas que a gente avalia, entre aspas, inconveniente, que mudam a rotina. Mas todas as quintas, a diretora de Educação e Trabalho de Tremembé, Daiane Roberta de Souza, recebe nosso grupo de voluntárias. Provando que no lugar onde aquelas pessoas menos queriam estar, nas condições mais inóspitas, é possível uma transformação”, disse a empresária Patrícia Villela Marino, fundadora da ONG, mulher de Ricardo Villela Marino, presidente do conselho de administração do Itaú para a América Latina.

Continua após a publicidade

A marca Tereza foi desenvolvida por André Poppovic, da OZ Design. Até o fim do ano, deverá ser criada no semiaberto masculino uma cooperativa de presos para gerir uma horta orgânica. “Queremos dar suporte para implantar iniciativas semelhantes em outros presídios e para que cada uma delas caminhe com as próprias pernas”, diz Patrícia.

View this post on Instagram

#terezavaleapena . Foi lançada nesta terça-feira, em grande estilo, a marca Tereza (@terezavaleapena). As peças de artesanato foram produzidas pela cooperativa de detentas da Penitenciária Feminina II de Tremembé, um projeto pioneiro desenvolvido pela @Humanitas360. O designer responsável por desenvolver a primeira coleção, @renatoimbroisi, assumiu a função de leiloeiro oficial! . Na foto, Patrícia Villela Marino, cofundadora do Civi-Co, presidente da H360 e idealizadora da cooperativa, posa ao lado da apresentadora @lucianagimenez. Toda a renda será revertida para o caixa da cooperativa, com o objetivo de viabilizar o seu modelo de negócio. . . . #issoésercivico #humanitas360 #leilaobeneficiente #artesanato #impactosocial

A post shared by CIVI-CO (@civicobr) on

Continua após a publicidade

Publicidade