Clique e assine por apenas 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

Campanha pretende arrecadar 1 milhão de cestas básicas

Empresários e voluntários se mobilizam para distribuir alimentos em 52 favelas do país e combater a crise causada pela Covid-19. Saiba como ajudar

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 25 mar 2020, 13h44 - Publicado em 25 mar 2020, 13h37

A partir da quinta (26), entrará no ar no site do Gerando Falcões um link para arrecadar fundos e comprar pelo menos 1 milhão de cestas básicas para ajudar a combater a crise causada pela Covid-19. Os alimentos serão distribuídos em 52 favelas do país. Desse número, vinte na Grande São Paulo, em localidades como Capão Redondo, Vila Nova Cachoeirinha e Poá. A iniciativa é coordenada pelo Instituto Gerando Falcões, de Edu Lyra.

“Se essa crise durar mais de vinte dias, o Brasil poderá quebrar. Nesse caso, empresários perder dinheiro, demitir, haverá fome e saqueamento. Por isso, não dá para ficar parado, só no home office. A gente precisa se unir e todo mundo deve ajudar”, diz Lyra, que pertence também ao Global Shapers, iniciativa do Forum Econômico Mundial. O líder foi nomeado pelo órgão como um dos jovens que podem mudar o mundo.

Na última semana, grandes empresários aderiram à campanha e já injetaram 5 milhões de reais nesse fundo. Entre eles, Jorge Paulo Lemann (Fundação Lemann), Abilio Diniz (Península), Pedro Bueno (Dasa), Olavo Setubal Jr. (Itaú), David Feffer (Suzano) e Alexandre Behring, Mario Cunha Campos e Pedro Batista (sócios da 3G Capital), são alguns dos nomes à frente da iniciativa.

Outros nomes envolvidos com a iniciativa estão Nizan Guanaes, Donata Meirelles, Thiago Oliveira, Bernardo Paiva, Cláudio Carvalho, João Paulo Coelho e Bruno Setúbal.

Além disso, o laboratório Dasa ajudará a treinar equipes para entrega das cestas (para mitigar o risco de contaminação), e a empresa de tecnologia Accenture vai desenvolver um app para que líderes das comunidades cadastrem as famílias mais carentes, para receberem as cestas (o app pode inclusive vir a ser incorporado a programas oficiais do governo estadual paulista e do governo federal).

A equipe do Gerando Falcões estabeleceu uma parceria com líderes de favelas. Eles criam uma espécie de voucher personalizado, que será distribuído por Whatsapp. Cada morador será orientado a pegar sua cesta em um lugar determinado e seguro. “Criamos uma logística para evitar saques e violência. Batizamos de ‘moeda da esperança’”, diz Lyra.

“Uma pessoa que mora na favela ficar de quarentena, às vezes num barraco de um cômodo com oito ou nove pessoas, é um sacrifício imenso. A maioria do pessoal é autônomo, ou seja, trabalha de manhã para ter o que comer à noite. Se isso durar muito tempo, a alternativa deles é morrer de Covid-19 ou de fome. Por isso, todos teremos de nos unir”, ressalta Lyra.

Quer contribuir? A partir da quinta (26), será possível clicando AQUI

Continua após a publicidade
Publicidade