Clique e assine por apenas 6,90/mês
Terraço Paulistano Notas exclusivas sobre artistas, políticos, atletas, modelos, empresários e pessoas de outras áreas que são destaque na cidade. Por Humberto Abdo.

A separação conturbada de Valéria e Luiz Alberto Srur, dono do SP Market

Dona de casa acusa o empresário de violência patrimonial e diz que seu "ex" deixou para ela uma dívida de cerca de 1,8 milhão de reais

Por Ana Carolina Soares - Atualizado em 20 Mar 2020, 15h50 - Publicado em 20 Mar 2020, 06h00

A dona de casa Valéria Srur, 54, e Luiz Alberto Srur, 66, dono de 27 empresas (entre elas, o shopping SP Market), viveram quase quinze anos em clima de lua de mel, como mostra a foto acima, no Taj Mahal, na Índia. Mas o amor virou ódio no fim de 2017, quando Valéria decidiu se separar.

“Primeiro, na festa de aniversário da minha filha, meu ex paquerou as amigas dela. Depois, descobri que tinha amantes”, lembra. Segundo a dona de casa, após o pedido de divórcio, o empresário começou a fazer ameaças. “Disse que eu era a mulher de sua vida e que, se não ficássemos juntos, iria me deixar sem nenhum centavo e acabar comigo.”

Valéria conta que cursou direito, mas parou de trabalhar aos 20 anos, ao se casar com o primeiro marido, um advogado com quem teve duas meninas. Em 2003, um ano após o término desse relacionamento, conheceu Srur. “Ele nunca me deixou ter um emprego porque queria que eu o acompanhasse nas viagens.” O divórcio litigioso se arrasta há mais de dois anos. Em 2019, ela perdeu a pensão de 50 000 reais (diz que seus custos são de 100 000 reais mensais).

No mês passado, Valéria começou a receber cobranças com dívidas de impostos que somam cerca de 1,8 milhão de reais. “Meu ex fazia doações para minha conta, afirmando que era uma forma de não me deixar desprotegida caso algo ocorresse. O contador dele cuidava das nossas finanças e nunca me falou em pagamentos. Era cilada.”

Continua após a publicidade

Srur disse, por meio de seu advogado, que não vai se pronunciar. “Não posso falar sobre esse caso, mas quem recebe a doação é que recolhe os tributos”, diz Dilermando Cigagna Jr, que defende o empresário.

Publicidade