Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
O Sexo e A Cidade Por Blog Histórias, novidades e estratégias dos empresários do mercado erótico em São Paulo

Fim de semana terá debates e festas sobre fetiche na capital

Os eventos são para comemorar o Dia do BDSM, tema que se popularizaram com o filme Cinquenta Tons de Cinza

Por Tatiana Izquierdo Atualizado em 21 jul 2017, 16h31 - Publicado em 21 jul 2017, 16h20

Mundialmente, no dia 24 de julho, comemora-se o dia internacional do BDSM, que é um acrônimo para definir práticas no sexo que envolvem bondage, disciplina/dominação, submissão, sadismo e masoquismo. Estes termos fazem parte de um grupo de padrões de comportamento sexual. Desde o lançamento do fenômeno de Cinquenta Tons de Cinza, da escritora E.L. James, no qual a mocinha Anastasia Steele conhece o jovem bilionário Christian Grey e, com ele, descobre os prazeres do sadomasoquismo, a sigla passou a ser mais comentada entre os amantes do mundo fetichista.

Pensando nisso, o estilista e produtor cultural Heitor Werneck, em parceria com o Museu da Diversidade, coordena duas mesas redondas abertas aos adeptos e curiosos das práticas fetichistas. “É uma oportunidade para combater o preconceito, desmistificar a cultura e libertar padrões relacionados ao BDSM”, conta Werneck. O bate-papo acontece nesta sexta (21) e sábado (22), das 18h às 21h, no próprio museu.

Imagem relacionada
Cena do filme Cinquenta Tons de Cinza

Os encontros serão gratuitos e contam com a participação de praticantes do BDSM e profissionais da área de saúde. Na sexta, o tema é sobre a prevenção e os cuidados durantes as práticas fetichistas. E no sábado, o assunto será DSTs e cuidados com a saúde sexual. A programação tem o apoio da Assessoria de Cultura para Gêneros e Etnias e da Secretaria de Cultura do Governo do Estado de São Paulo.

Festas fetichistas

Para quem tem curiosidade de conhecer mais sobre o universo e, quem sabe, se aventurar nas práticas fetichistas, duas festas acontecem em comemoração ao Dia Internacional do BDSM, em São Paulo.

Na sexta (21), o bar Dominatrix Augusta faz parceria com a festa Libertine Festival e oferece uma noite especial, com cenas de práticas fetichistas como podolatria, bondage shibari, burlesque, spanking, dominação e show exclusivo com Mel Fire, vencedora do prêmio Sexy Hot 2017 nas categorias ‘melhor atriz’ e ‘revelação LGBT’. A entrada custa 40 reais, ou 80 reais consumíveis. 

Continua após a publicidade
Dominatrix Augusta
O bar Dominatrix Augusta: noite especial, com cenas de fetiche

No sábado (22), acontece a edição 24/7 do Projeto Luxúria, festa idealizada e produzida por Heitor Werneck. A noite celebra a data com programação especial que inclui os workshops: “Estilo de Vida BDSM”, “Spanking” e “Waxplay”, além de concursos de “crossdresser”, “pet play” e “shibarista”. A entrada custa a partir de 60 reais, ou 100 reais consumíveis.

Resultado de imagem para bdsm

A data que comemora o BDSM foi criada em 2003 por um clube fetichista chamado Rosa5, em Barcelona, na Espanha, e não foi escolhida em vão. A sigla 24/7 é muito conhecida entre os praticantes do BDSM por ser considerada uma forma de relacionamento e submissão, onde os praticantes vivem as práticas 24 horas por dia, 7 dias na semana.

Os praticantes do estilo BDSM tem como intuito encontrar o prazer sexual por meio de práticas que pode ou não envolver dor, submissão, sadismo, masoquismo e outros meios. Em tese, existe uma hierarquia onde um dominador(a) ‘tortura’ um submisso(a), que sente prazer em servir.

Imagem relacionada

Vale lembrar que os praticantes do BSDM respeitam os limites um do outro e só realizam as práticas com consentimento mútuo entre os participantes. É comum que eles usem a sigla SSC, que representa práticas sãs, seguras e consensuais, em que o limite pessoal de cada um não deve ser ultrapassado. Para delimitar onde o parceiro deve parar, existe a chamada safeword, ou palavra de segurança, que sempre é pré-estabelecida entre as partes.

Continua após a publicidade
Publicidade