#SPSonha: Arquiteto propõe projeto que dá cara de cidade ao vazio da USP

No plano de Diogo Dias Lemos, área teria mais moradia e comércio, parques e museus abertos e menos dependência do automóvel

São Paulo poderia ganhar dois novos parques e um corredor cultural, além de milhares de novos locais de moradia, trabalho e comércio em uma área central e aprazível. Eis a proposta do arquiteto Diogo Dias Lemos, formado pela FAU-USP, para transformar a Cidade Universitária nos próximos 100 anos — planejamento quase chinês.

Ele enfrenta um grande pecado da USP: seu isolamento da cidade (sem contar os espaços mortos e inseguros). Indiretamente, sugere novas fontes de receita para uma universidade que gasta 5 bilhões de reais por ano (95% do orçamento) apenas com salários. Lemos criaria um parque ao longo da raia olímpica, hoje fechada por muros (de concreto e de vidro), para a Marginal, e por cercas, para o resto do câmpus. “A raia é uma das maiores porções de água limpa na área central de São Paulo, e a cidade não conta com nenhum espaço público de qualidade totalmente voltado para a água”, justifica.

Prédios baixos, ciclovias e corredores de ônibus diminuiriam o sistema carrocêntrico da
USP

Prédios baixos, ciclovias e corredores de ônibus diminuiriam o sistema carrocêntrico da
USP (Projeções de Diogo Dias Lemos/Veja SP)

A área, de 2,2 quilômetros de extensão (quase a da Avenida Paulista), ganharia calçadão, prédios mais altos, com vista privilegiada para o rio, e comércio nos térreos. Um lugar aberto a mais gente. Para o Eixo Monumental, uma sucessão de rotatórias, estacionamentos a céu aberto e grandes vazios, dignos de Brasília, da Praça do Relógio à Reitoria, o arquiteto prevê prédios baixos, ciclovias e corredores de ônibus, que diminuiriam o sistema carrocêntrico da USP.

Haveria ainda um jardim de esculturas ao longo do Eixo (hoje, elas estão no meio das rotatórias, sem escala nem visibilidade). Na Avenida Professor Luciano Gualberto, que abriga as faculdades mais populosas da universidade (Poli, FFLCH, ECA, em prédios que ignoram a avenida), a proposta é desenvolver uma área de transição, com novas construções para serviços e lazer.

Estudo propõe universidade mais aberta à cidade

Estudo propõe universidade mais aberta à cidade (Projeções de Diogo Dias Lemos/Veja SP)

O projeto também pensa na integração da Cidade Universitária como um novo bairro, propondo uma nova estação de trens da CPTM ali, a ampliação da calçada da Ponte Cidade Universitária e a construção de uma ponte para pedestres e ciclistas na altura do shopping e do Parque Villa-Lobos. “A vida naquele câmpus me incomodava”, lembra o arquiteto, que desenvolveu o projeto na FAU, em 2015. Ele foi orientado pelo professor Fábio Mariz Gonçalves, “quase um pai para mim”.

Daqui a 100 anos, se o sonho de Lemos se concretizasse, seriam ocupados apenas 23% do terreno atual da Cidade Universitária. Ainda assim, já aumentaria em cinco vezes a área construída hoje.

A criação de parques está entre as propostas

A criação de parques está entre as propostas (Projeções de Diogo Dias Lemos/Veja SP)

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s