Clique e assine por apenas 6,90/mês
São Paulo nas Alturas Por Raul Juste Lores Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura

Negócio de família: edifício Emília é o charme da Rua dos Pinheiros

Com três andares, o predinho foi construído pelo engenheiro-arquiteto Israel Galman

Por Raul Juste Lores - 1 fev 2019, 06h00

O Emília é um predinho que dá aula de densidade (catorze apartamentos onde antes havia duas casas apenas) e de uso misto (tem duas lojas no térreo). Com três andares, entregue em 1954, dá mais bossa à Rua dos Pinheiros que várias torres sem graça por ali, com poucas unidades e sem comércio na rua.

O charmoso predinho da Rua dos Pinheiros: construído em 1954 Raul Juste Lores/Veja SP

O autor do Emília, Israel Galman, formou-se pela Poli-USP como engenheiro-arquiteto, mas achava que projetos eram mal remunerados. Decidiu ser construtor. Convenceu a mulher, Melanie, a se desfazer da casa que ganharam de presente de casamento dos pais (os dele, romenos que viviam no Brás; os dela, russos nas Perdizes). Com o dinheiro, compraram terrenos para fazer predinhos, vendendo-os para a comunidade judaica. Viúva desde 1986 e moradora de Higienópolis, Melanie morreu no fim do ano passado, aos 92 anos.

Melanie e Israel Galman: o casal se desfez da casa para comprar terrenos Acervo familiar / reprodução/Veja SP
Edifício Emília: obra do engenheiro-arquiteto Israel Galman Raul Juste Lores/Veja SP

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 06 de fevereiro de 2019, edição nº 2620.

Publicidade