Clique e assine com até 89% de desconto
São Paulo nas Alturas Por Raul Juste Lores Redator-chefe de Veja São Paulo, é autor do livro "São Paulo nas Alturas", sobre a Pauliceia dos anos 50. Ex-correspondente em Pequim, Nova York, Washington e Buenos Aires, escreve sobre urbanismo e arquitetura
Conteúdo para assinantes

Passagem entre Consolação e Angélica estimula pedestres a caminhar

O prédio, projeto do escritório Aflalo Gasperini, abriga um centro de startups

Por Raul Juste Lores Atualizado em 24 abr 2020, 12h55 - Publicado em 24 abr 2020, 06h00

Pesquisas internacionais confirmam: onde é mais fácil, seguro e estimulante caminhar, as pessoas andam mais. Onde sair a pé é um martírio, quem pode recorre ao carro. Quando a pandemia for controlada, é natural que muita gente volte a bater perna, então vale destacar a boa experiência desta passagem entre a Rua da Consolação e a Avenida Angélica, perto da Paulista, aberta em 2018.

Passagem entre Consolação e Angélica: mesmo sem surpresas estéticas, a atenção com o pedestre se destaca em vizinhança de arquitetura sofrível Raul Juste Lores/Veja SP

O prédio em questão, projeto do escritório Aflalo Gasperini, abriga um centro de startups financiado pelo Bradesco, o InovaBra, e tem comércio no térreo. Ao contrário de outras incubadoras de empresas digitais por aí, ilhadas na Vila Olímpia, sem muito transporte público à mão, o InovaBra está próximo do metrô e da ciclovia, e tem corredor de ônibus na porta, em uma área de alta densidade habitacional. Contrasta com a arquitetura canhestra dos corporativos da Angélica, do pior pastiche neoclássico.

Assine a Vejinha a partir de 6,90.

Raul Juste Lores/Veja SP

Mas é a gentileza com o pedestre que sobressai. Quarteirões compactos e de tamanhos previsíveis, como os de Manhattan ou Buenos Aires, estimulam o pedestre a andar mais. Aqui, onde cada quarteirão é uma surpresa, essas passagens são bem-­vindos atalhos. Nos anos 1950, o prefeito Toledo Piza incentivou o formato, o que nos rendeu galerias como a do Rock e a Nova Barão. Por muitos anos, as leis municipais dificultavam essa solução. Que voltem, e com força.

Raul Juste Lores/Veja SP

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 29 de abril de 2020, edição nº 2684.

  • + OUÇA O PODCAST #SPsonha

    Continua após a publicidade
    Publicidade