Auditório do Memorial da América Latina é relíquia do antigo Parlatino

Seu prédio hoje abriga a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência; a plateia tinha planos para receber programação musical

Esta joia de 560 lugares tem uso mais que bissexto, coitada. Parte do Memorial da América Latina, que completa trinta anos neste mês, é a melhor coisa do antigo Parlatino. O desajeitado edifício demonstra que, como cliente, o então governador Orestes Quércia não soube exigir muito do arquiteto Oscar Niemeyer. Seus quatro andares, hermeticamente fechados, têm escassas janelas, voltadas para um fosso central circular. O claustrofóbico lugar é ocupado hoje pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Um projeto para ocupar o auditório com programação musical nunca foi adiante.

Publicado em VEJA SÃO PAULO de 20 de março de 2019, edição nº 2626.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s