#SPSonha: A Rua Augusta poderia imitar Bogotá

Nos anos 90, a capital colombiana começou a fechar as ruas aos carros na happy hour: cresceu o número de bares e restaurantes

Nas noites dos fins de semana, a Rua Augusta exibe a má distribuição do espaço público entre cidadãos supostamente com os mesmos direitos. Uma multidão se apinha nas calçadas estreitas e esburacadas, competindo com as barraquinhas de DVDs piratas. Na altura do Espaço Itaú de Cinema, às vezes, é preciso fazer fila para continuar caminhando. Em comparação, há bem menos gente dentro dos carros que circulam na mesma via, nos quarteirões compreendidos entre a Paulista e a Peixoto Gomide. Alguns pedestres mais ousados até se aventuram a andar pelo meio da rua, com os riscos conhecidos.

No mês passado, enquanto os carros eram presenteados com mais “Asfalto Novo”, da marqueteira campanha da prefeitura, parte do trânsito da Augusta teve de ser interrompida. A região sobreviveu numa boa. Outras cidades do mundo fizeram essa redistribuição viária há muito tempo. Nos anos 1990, quando sofria algumas das mais altas taxas de violência urbana no planeta, Bogotá ousou facilitar a vida de quem ocupa ruas e calçadas mesmo sob o medo dominante. E, assim, a capital colombiana fechou o trânsito de veículos na happy hour em diversas ruas de seus bairros mais boêmios. Foi um sucesso instantâneo na Zona Rosa.

O que se viu por lá foi o surgimento de bares, restaurantes e o aumento da segurança

O que se viu por lá foi o surgimento de bares, restaurantes e o aumento da segurança (Caetano Vilela/Veja SP)

Em tempos de toque de recolher e sequestros, moradores e gente que trabalhava por ali saíam para beber, ver e ser vistos entre 17 e 19 horas. Cresceu o número de bares e restaurantes na área, o que a deixou mais segura. Poucos anos depois, a bela cidade andina decidiu fazer o mesmo aos domingos, atingindo mais de 100 quilômetros de vias para os pedestres. Como dizia a urbanista americana Jane Jacobs, a melhor vigilância que existe é permitir “olhos na rua”.

A experiência na Avenida Paulista só começou quinze anos após a iniciativa de Bogotá. Nova York seguiu a tendência, ampliando as calçadas da Broadway e reduzindo o espaço para carros na Times Square, durante a gestão Bloomberg. Em São Paulo, onde o sucesso da Paulista aos domingos contrasta com o discurso do aumento das velocidades, a medida pode até demorar. Mas é certo que muitas ruas da cidade poderiam ter uma happy hour segura com mais gente ao ar livre.

Newsletter Conteúdo exclusivo para você
Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s