Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Pai confunde carregador da filha com vibrador e conversa viraliza

"Emily, onde você está? Quando você chegar em casa, nós precisamos conversar!", diz a primeira mensagem de uma conversa pra lá de constrangedora

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 28 nov 2017, 19h34 - Publicado em 28 nov 2017, 19h29

Existem algumas conversas que filhos evitam ter com os pais a todo o custo. O “bate papo” constrangedor que a jovem Emily teve com o pai dela é um deles. No domingo (26), a adolescente compartilhou a discussão que teve por mensagem com o paizão. O problema? O homem confundiu o carregador portátil para smartphone da jovem com um… vibrador!

Emily, onde você está? Quando você chegar em casa, nós precisamos conversar!“, diz a primeira mensagem do homem. Ao ler o recado, qualquer adolescente morreria de medo. A jovem, então, respondeu: “Estou na casa de uma amiga. Por que?“. O pai de Emily, então, enviou a foto do carregador para a filha: “Bom, eu encontrei isso. Por que você está fazendo esse tipo de compra? Isso é nojento! Você não deveria gastar o seu dinheiro com isso. Se você tem esse tipo de necessidade, eu sugiro não deixar isso espalhado por aí…“, escreveu o homem.

Desesperada, Emily perguntou ao pai o que ele imagina que é o objeto. “É um desse brinquedos nojentos que vibram! Eu não sou tão velho, Emily!“, diz o homem, espantado pelo objeto púrpura e cilíndrico. A adolescente, então, respondeu: “Pai, este é o meu carregador portátil. Eu o uso quando vou para a Disneyland para recarregar o meu celular. O que diabos você estava fazendo nas minhas coisas?“. Aliviado, o paizão respondeu: “Me desculpe, por favor não conte para a sua mãe. Eu precisava de protetor labial!“. Não à toa, a história inusitada já acumula mais de 135 000 curtidas no Twitter. Confira:

Na legenda da publicação, Emily escreveu: “Meu Deus, isso é tão constrangedor! O meu pai pensou no pior cenário“, disse a adolescente. Algumas pessoas, no entanto, têm histórias ainda piores para contar: “Não foi tão constrangedor quanto quando meu tio achou que eu era a estrela de um filme pornográfico“. 

  • Dê sua opinião: E você, o que achou da história de Emily? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook.

    Continua após a publicidade
    Publicidade