Clique e assine por apenas 6,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Mulher já salvou 14 vidas ao distribuir mensagens surpreendentes

"Quando eu escrevo os bilhetes, eu realmente acredito no que estou escrevendo e espero que as pessoas possam enxergar isso"

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 5 fev 2020, 13h51 - Publicado em 22 ago 2018, 17h54

Lisa Barnes aproveita seu tempo livre fazendo uma boa ação: a moradora de Manchester, no Reino Unido, escreve, plastifica e cola bilhetes em pontes da cidade onde muitas pessoas se suicidaram.

A britânica acredita que a campanha, chamada “Bridge the Gap”, está funcionando: pessoas que foram tocadas pelas mensagens já entraram em contato com ela revelando que os recados em forma de diamante ajudaram a mudar sua decisão. Até agora, ela já salvou catorze vidas.

“É incrível, esses bilhetinhos já salvaram catorze vidas. Elas estão aqui agora, caminhando, onde possivelmente não estariam mais”, comemorou a mulher. Ela compartilha os bilhetes sozinha e, às vezes, com a ajuda de voluntários, contando até com a mãozinha de alguns policiais para espalhar as mensagens de esperança.

Lisa decidiu começar a escrever após pensar em se matar, em 2017 — uma pessoa, no entanto, a convenceu a abandonar a ideia e, agora, ela trabalha para ajudar outras pessoas na mesma situação.

Até o momento, 22 pontes receberam as mensagens de Lisa. “A mensagem que estamos passar é que quando você está naquela ponte, num momento muito ruim, se você está procurando por um sinal para não tomar essa decisão, lá está…”, contou ao The Daily Mail. “Um negociador me convenceu a desistir do suicídio, e agora eu estou aqui para ajudar outras pessoas”, explicou.

Continua após a publicidade

Bridge 22Over the M60 Blackberry lane, Brinnington ♥️

Posted by Bridge The Gap on Tuesday, August 21, 2018

Continua após a publicidade

♥️ 21st bridge decorated ♥️Lingard Lane over M60 Brinnington

Posted by Bridge The Gap on Saturday, August 18, 2018

A esperança de Lisa é que as mensagens ofereçam uma pausa para as pessoas que procuram essas pontes: “Elas são mensagens escritas à mão, são pessoais, não é apenas uma placa que alguém doou. Quando eu escrevo os bilhetes, eu realmente acredito no que estou escrevendo e espero que as pessoas possam enxergar isso”, argumentou a mulher.

Conhece alguém que está enfrentando um problema semelhante? O CVV — Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo gratuitamente, sob total sigilo, por telefone, e-mail e chat 24 horas por dia. Basta discar 188

Dê sua opinião: E você, o que achou da história da mulher? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook!

Continua após a publicidade
Publicidade