Clique e assine com até 89% de desconto
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Após desabafo de paciente no Facebook, mulher decide tomar uma atitude

"É impossível levantar os braços quando você tem incisões no seu abdômen. Eu estava sozinha e não tinha a ajuda de ninguém", relembrou a mulher

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 23 jan 2019, 18h00 - Publicado em 23 jan 2019, 17h00

Na semana passada, Jaci Selby estava internada — e tudo o que ela queria era que alguém a ajudasse a arrumar o cabelo. A mulher de 36 anos de idade sofre de endometriose e teve que dar entrada no hospital para remover cicatrizes. O ambiente hospitalar não é estranho para a paciente, no entanto: ela já passou por muitas cirurgias. Ela se acostumou ao isolamento e sabe como é difícil concluir até as tarefas mais simples. “Você está num hospital o tempo todo e não consegue nem fazer as mínimas tarefas sozinha”, desabafou ao BuzzFeed.

Não à toa, ela tinha dificuldades para arrumar o cabelo: “É impossível levantar os braços quando você tem incisões no seu abdômen. Eu estava sozinha e não tinha a ajuda de ninguém”, relembrou. Jaci, então, compartilhou a sua história em um grupo no Facebook, pedindo ajuda. “Perguntei se alguém da região poderia vir até o hospital para trançar o meu cabelo”.

Não demorou muito até que Jaclyn Medrano fosse impactada pela publicação da paciente. A mulher, então, entrou em contato com Jaci: “Eu senti muita compaixão por ela. Ela só queria que alguém trançasse seu cabelo antes de uma cirurgia. Senti como se fosse o meu trabalho entrar em contato com ela e perguntar onde ela estava, para que eu pudesse ajudá-la”, contou Jaclyn. “Sempre fui o tipo de pessoa que se importa com outros, mesmo quando eu não os conheço. Acho que é porque sou do signo de peixes…”.

Jaclyn dirigiu por 40 minutos e chegou ao hospital onde Jaci estava internada às 7h da manhã, pouco antes da cirurgia. “Nós fizemos uma conexão imediata. Ela é muito doce e nós rimos tanto, que as enfermeiras acharam que nós éramos velhas amigas”, relembrou a paciente. Até o apelido para os pais das mulheres é o mesmo: Papa Jack. “Eu não queria ir embora, queria continuar conversando. Mas percebi que ela estava cansada por causa de toda a medicação. Então, assim que eu terminei a trança, organizei as minhas coisas, dei uma abraço nela e disse que rezaria para que tudo ocorresse bem na cirurgia. Também disse que, se ela precisasse de ajuda novamente, era só me avisar”, contou Jaclyn.

Selby compartilhou a história emocionante no reddit, onde mais de 60 000 pessoas conheceram a boa ação de Jaclyn. Na publicação, muitos internautas também desabafaram sobre a experiência de estar hospitalizado. “Muitas pessoas precisam lidar com a solidão de estar em um hospital”, disse a paciente. “Ela ter feito o que fez, vindo até aqui e me feito gargalhar, significou muito”, contou.

Dê sua opinião: E você, o que achou da história emocionante? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook!

Continua após a publicidade
Publicidade