Clique e assine por apenas 6,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Novidades da cultura pop e da internet

Leandro Hassum vai às lágrimas no ‘Tamanho Família’ ao falar sobre seu pai

Humorista lembrou episódio dramático

Por Redação VEJA São Paulo - Atualizado em 21 jul 2019, 17h42 - Publicado em 21 jul 2019, 17h39

Escalado para encerrar a temporada do programa Tamanho Família ao lado da dupla Simone e Simaria, o ator Leandro Hassum não conteve as lágrimas ao relembrar um episódio envolvendo seu pai, já falecido.

O caso que o Hassum comentou ocorreu em 2017, no dia do abraço, quando Hassum procurou por uma foto ao lado do pai para postar no Instagram. “Ao logo do caminho tivemos umas passagens familiares que acabaram nos afastando fisicamente. Eu estava em São Paulo filmando e com a família morando fora a gente acaba ficando muito sozinho, né? Estava precisando dar um abraço no meu pai. Fui olhar pra ver se tinha alguma foto, mas eu descobri que não tinha nenhuma foto com meu pai“, neste momento, Hassum começa a chorar.

Ai eu fiz uma montagem”, explica. “E ele foi embora sem eu poder dar um abraço nele, numa boa, mas tem momentos que o abraço do nosso pai faz falta mesmo”, completa emocionado. “Eu sou pai, se eu pudesse abraçava minha filha toda hora”.

Veja a montagem:

Continua após a publicidade

View this post on Instagram

Hj é dia do abraço. Tem um abraço q ñ dou a muuuuuuiiiitoooo tempo. E pelo menos nessa vida não darei mais. Meu pai. Descobri q ñ tinha nenhuma foto com ele. Achei essa no face da minha mãe e fiz uma montagem bem tosca. Pai tivemos nossas diferenças. Mas nos teus braços sempre me senti protegido quando menino e precisei. Tem dias q preciso desse abraço. Te amo. Sempre te amei e sempre vou te amar.

A post shared by Leandro Hassum (@leandrohassum) on

Continua após a publicidade

O motivo que fez Hassum afasta-se foi o envolvimento de seu pai com o tráfico de drogas. Ele relevou o caso em 2015 em entrevista à Marília Gabriela. Meu pai foi preso por tráfico internacional de drogas, ele era o responsável pelo transporte da droga do Brasil para a Europa e para os Estados Unidos. Ele fazia parte da máfia italiana”, disse à época. “Ele foi preso em 14 de novembro de 1994. Eu não tinha a menor noção. Mas, hoje, olho para trás e me pergunto como eu não percebi alguns sinais.”

 

Publicidade