Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Este rapaz tirou uma foto para o novo passaporte, mas o clique foi recusado por um estranho motivo

Richard Lee, um estudante de 22 anos de idade que mora na Austrália, nasceu em Taiwan e tem nacionalidade neozelandesa, passou por uma situação muito delicada recentemente: seu pedido para renovar o passaporte neozelandês foi negado porque o rapaz, de descendência asiática, estaria de “olhos fechados”. Na verdade, eles estavam abertos. + Jovem de 27 anos será a […]

Por VEJASP Atualizado em 25 fev 2017, 20h44 - Publicado em 7 dez 2016, 17h01

002

Richard Lee, um estudante de 22 anos de idade que mora na Austrália, nasceu em Taiwan e tem nacionalidade neozelandesa, passou por uma situação muito delicada recentemente: seu pedido para renovar o passaporte neozelandês foi negado porque o rapaz, de descendência asiática, estaria de “olhos fechados”. Na verdade, eles estavam abertos.

+ Jovem de 27 anos será a primeira mulher a visitar todos os 196 países do mundo
+ Na Indonésia, gato não abandona túmulo da dona há um ano e comove a internet

O software de reconhecimento facial do governo da Nova Zelândia foi o “responsável” por encontrar o problema, que na verdade não existe. O rapaz queria renovar o passaporte para conseguir entrar na Austrália após as festas de fim de ano, mas recebeu a recusa constrangedora na segunda (5). Atualmente, ele cursa Engenharia Aeroespacial em Melbourne: “A foto que você está tentando subir não corresponde aos nossos critérios porque o sujeito está com os olhos fechados“, diz o comunicado.

Eu também tentei com fotos diferentes, mas não tive sorte. Então liguei para o Departamento de Assuntos Internos e eles disseram que era por causa da sombra nos meus olhos e da luz irregular no meu rosto. Eu fiz novas fotos nos correios australianos até que uma delas finalmente funcionou“, revelou o jovem ao The Daily Mail.

Após a polêmica, um amigo do rapaz publicou a imagem da recusa em seu perfil no Facebook e o registro provocou polêmica, com muitos internautas chamando o software de “racista”: “A tecnologia está ficando racista“, comentou um rapaz. Outros também afirmaram que já tiveram o mesmo problema ao usar a tecnologia de reconhecimento facial. Richard, no entanto, garante que não ficou incomodando com o incidente: “A mensagem de erro não me incomodou tanto, eu vi o lado humorístico na história e também o erro de programação no software de reconhecimento. Eu só fiquei irritado com o atraso“, contou.

Continua após a publicidade

01

Richard também ficou feliz com as respostas que seu caso recebeu online: “Eu publiquei a imagem porque achei o caso hilário, não necessariamente racista. Mas foi muito bom ver quantos amigos meus da Nova Zelândia e Austrália se manifestaram. São ótimos países para se chamar de casa“, revelou. Ele também disse que, nas redes sociais, os internautas com ascendência asiática conseguiram encontrar o humor na situação: “Algumas pessoas se ofendem muito facilmente, não são tão confiantes sobre suas origens. No fim do dia, é claro que somos todas diferentes e, em algumas situações, nós precisamos nos defender — mas outras valem a pena apenas para uma boa risada“, explicou.

02

Na sequência, aproveitando ainda mais a situação divertida, “Richy Fancy”, como é conhecido, publicou uma foto divertida em seu perfil no Facebook usando um filtro do Snapchat que aumenta seus olhos. “Eu espero que eles aceitem essa foto!“, brincou o futuro engenheiro, que também trabalha como promoter e DJ.

001

Um porta-voz do Departamento de Imigração disse que o software de reconhecimento facial é um dos maiores avanços tecnológicos do mundo, mas que rejeições são comuns: “Cerca de 20% das fotos publicadas online são rejeitadas por inúmeros motivos. Nós providenciamos ferramentas para ajudar os usuários a tirarem uma foto apropriada“, disse. E podem ficar tranquilos! O passaporte de Richard chegou a tempo do rapaz voltar para casa para celebrar o Natal 😉

Dê sua opinião: E você, o que achou do curioso caso de Richard? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook.

Continua após a publicidade
Publicidade