Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Mulher diz que sofreu derrame após tratamento no salão de beleza

"A minha vida ficou de cabeça para baixo após um raro dia de folga", desabafou a consumidora de 47 anos de idade

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 5 fev 2020, 13h53 - Publicado em 6 ago 2018, 18h26

Adele Burns, de 47 anos, sofreu uma emergência médica após um dia no salão de cabeleireiro: os cabelos da mulher foram lavados seis vezes por uma profissional após um tratamento capilar e, menos de 24 horas depois, Adele teve um derrame.

Médicos afirmam que o derrame está conectado ao número de vezes em que a consumidora esteve no lavatório, que não tinha uma proteção para o pescoço. Em recuperação, a mulher espera que sua ação legal provoque mudanças: “A minha vida ficou de cabeça para baixo após um raro dia de folga. Após conversar com os meus médicos, não há dúvidas que o salão foi responsável pelo meu derrame. Eu não fiquei apenas isolada da sociedade, eu fiquei isolada do meu próprio corpo”.

A mulher foi ao salão em abril de 2016, quando investiu 200 libras para fazer um corte e uma coloração, um presente de seu marido. Depois de ter passado cinco horas no estabelecimento, ela retornou para casa com dor de cabeça. No dia seguinte, no entanto, a saúde de Adele deteriorou. Ela sentiu muita tontura e perdeu a visão enquanto limpava o banheiro. Descansou por alguns minutos antes de rastejar até o telefone mais próximo para ligar para o companheiro — no meio da conversa, desmaiou.

Ao chegar em casa, o marido de Adele notou que a mulher não conseguia se mover ou falar. Ele, então, chamou uma ambulância. O derrame foi confirmado após a chegada ao hospital, onde médicos notaram que a mulher sofreu de um coágulo causado por trauma no pescoço, que interrompe a circulação de sangue até o cérebro. Após o acidente, a paciente precisou se demitir do trabalho e a família precisou vender a casa própria. Dois anos após o derrame, Adele ainda tem dificuldades para falar, ler, escrever e se locomover, mas está determinada a reconstruir a vida.

“Um derrame não é como uma perna quebrada, que você precisa de tempo e depois continua com a sua vida normalmente. Ele muda a sua vida e a vida das pessoas ao seu redor. Eu perdi a minha independência e sinto que a minha vida não é mais minha vida”, explicou a mulher. “Eu não quero que isso aconteça com mais ninguém”.

Os papéis do processo alegam que o salão não fez um “teste da mecha”, o que evitaria as inúmeras colorações que a mulher precisou passar até acertar a cor dos cabelos. Os documentos também acusam o salão de negligência por oferecer uma pia sem uma proteção para o pescoço durante o procedimento. “Relatórios médicos mostram que não há histórico de derrames na família de Adele. Exames também mostram que o derrame ocorreu após a visita de Adele ao salão de beleza”, argumenta.

As informações são do The Daily Mirror.

Dê sua opinião: E você, o que achou da história de Adele? Deixe seu comentário e aproveite para curtir a nossa fanpage no Facebook!

Continua após a publicidade
Publicidade