Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Pop! Pop! Pop! Por Blog Cultura pop, TV e o que repercute nas redes sociais

Comediante britânico fala sobre a crise política brasileira em programa da HBO

O comediante britânico John Oliver usa o seu programa na HBO, o Last Week Tonight With John Oliver, para fazer um “apanhado” dos principais assuntos que dominaram os noticiários mundiais na última semana — tudo, é claro, com muito humor ácido. Depois da semana conturbada que a política brasileira teve, é claro que o país viraria […]

Por Redação VEJA São Paulo Atualizado em 8 out 2018, 12h14 - Publicado em 21 mar 2016, 18h14

ABRE02

O comediante britânico John Oliver usa o seu programa na HBO, o Last Week Tonight With John Oliver, para fazer um “apanhado” dos principais assuntos que dominaram os noticiários mundiais na última semana — tudo, é claro, com muito humor ácido. Depois da semana conturbada que a política brasileira teve, é claro que o país viraria foco do apresentador.

+ Com preenchimentos nos lábios e novo visual, Anitta aparece irreconhecível
+ Gabriela Pugliesi responde críticas feitas por Matheus durante o BBB16

Em um quadro que foi ar na noite deste domingo (20), o apresentador apresenta alguns fatos sobre o atual momento da política nacional — os protestos contra o governo, a indicação de Lula para Ministro da Casa Civil e sua possível imunidade virtual, além dos casos de corrupção da Lava Jato.

ASSISTA AO VÍDEO AQUI

Abaixo, confira a tradução dos ácidos comentários feitos por Oliver sobre o atual cenário da política nacional:

Nós começamos no Brasil, o país com a segunda Amazônia mais valiosa na Terra. O Brasil está enfrentando inúmeros problemas no momento, desde o zika vírus até uma economia fragilizada — e, nesta semana, ele afundou em um tumulto político.

Continua após a publicidade

Sim, os manifestantes querem remover sua presidente do poder a força e, os brasileiros sabem bem, você não quer remover algo lentamente e de maneira metódica, você quer fazer isso rápido e de uma vez só. O poder legislativo está se mexendo para provocar o impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas eles podem não estar na melhor posição para julgá-la: 60% deles estão sendo acusados por vários tipos de crimes, indo de fraude eleitoral até homicídio. Pense nisso: o poder legislativo brasileiro possui potencialmente 40% menos criminosos per capita que o sistema penitenciário do país

Mas os últimos problemas da presidente Dilma Rousseff envolvem seu antecessor, o ex-presidente Lula da Silva, e a sua conexão com a investigação sobre subornos e propinas na Petrobras, uma companhia estatal brasileira de petróleo — e, aliás, já existiu uma empresa petrolífera estatal que não fosse corrupta? As únicas duas palavras que são mais suspeitas que “companhia estatal” são “companhia de petróleo”. Apesar que isso não é verdade: a lista de palavras suspeitas são “casamento aberto”, “bem falado”, “remédios homeopáticos”, “estatal”, “pai-filha” e “sushi com desconto”. 

Lula da Silva está sendo acusado pelo caso da Petrobrás e, mesmo ele falando que elas foram politicamente motivadas, Rousseff não ajudou a acalmar a situação essa semana, quando ela fez uma escolha surpreendente para sua equipe de funcionários. 

Uau, ele tem uma imunidade virtual — e isso não me parece nada bom. E isso diz algo sobre o que os manifestantes pensam sobre o Lula. Afinal eles já tinham um boneco gigante e inflável do presidente segundos após Lula ser anunciado como o novo Ministro da Casa Civil. Mas, sendo justo, esse boneco se parece menos com o Lula e mais com um desenho de Picasso do ator Mandy Patinkin. 

Mas isso era só o começo de alguns dias extremamente dramáticos no Brasil. Primeiro, um juiz brasileiro anulou a indicação, então um juiz de uma corte superior anulou essa anulação — e então as coisas ficaram loucas. (…) É isso mesmo: o poder judiciário está agora se revoltando abertamente contra o poder executivo, e não apenas isso: grandes manifestações a favor de Lula e Rousseff aconteceram na sexta (18). 

Vamos apenas aproveitar este breve momento para nos sentirmos superiores ao caos político do Brasil, porque é exatamente como o resto do mundo vai se sentir neste verão, observando o Partido Republicano se destruir ao negar a nominação à pessoa que receber o maior número de votos“, comentou o humorista.

Esta não é a primeira vez que John Oliver fala sobre o Brasil em seu programa — o comediante já falou sobre a Copa do Mundo que aconteceu no país em 2014, sobre as eleições do mesmo ano e sobre a corrupção que acontece no país no começo de 2015.

Dê sua opinião: E você, o que acha das opiniões de John Oliver sobre a crise política do Brasil? Deixe seu comentário e aproveite para curtir nossa página no Facebook.

Continua após a publicidade
Publicidade