Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês
Alessandra Rodrigues - Nutrição e Bem-Estar Por Blog

Sabia que nem todo o mel é igual? Descubra as diferenças e como usá-lo

Você sabia: que nem todo mel é igual? Devido a sua variação botânica, o mel pode variar tanto de sabor, como de composição. O mel de abelha é composto principalmente por frutose e glicose, sendo a frutose o componente presente em maior percentual e tanto o sabor como o índice glicêmico do mel irão variar de […]

Por VEJA SP Atualizado em 26 fev 2017, 21h07 - Publicado em 26 ago 2014, 11h00

mel

Você sabia: que nem todo mel é igual? Devido a sua variação botânica, o mel pode variar tanto de sabor, como de composição. O mel de abelha é composto principalmente por frutose e glicose, sendo a frutose o componente presente em maior percentual e tanto o sabor como o índice glicêmico do mel irão variar de acordo com a sua quantidade, já que é ela quem define estas características.

Além disso o mel é composto por mais 25 oligossacarídeos (açúcares) e pequenas quantidades de proteínas, enzimas, aminoácidos, minerais, vitaminas e polifenóis (substâncias naturais encontradas nas plantas que possuem características antioxidantes).

Estudos mostram que o mel possui propriedades anti-inflamatórias e antibactericidas, mas ele sozinho não é capaz de curar um resfriado. Ele pode sim, no entanto, fortalecer o organismo e  amenizar alguns sintomas, como a tosse.

Em sua forma natural, o mel deve ser mantido fora da geladeira pois, quando exposto a baixas temperaturas, cristaliza e fica semelhante ao açúcar. Muitos acreditam que consumir o produto das abelhas no lugar do açúcar é  melhor e engorda menos, mas essa informação não é totalmente verdadeira. Assim como o açúcar, o mel deve ser consumido em pequenas quantidades e pode contribuir para um aumento de peso quando consumido em exagero. Uma colher de sopa de mel tem 62 calorias, ou seja, apenas 18 calorias a menos que uma colher de sopa de açúcar refinado (80 calorias).

Contraindicações: o mel é contra indicado em pacientes diabéticos ou com resistência a insulina (pré-diabetes), pois tem ação similar ao açúcar comum em nosso metabolismo. Ele pode ser consumido por crianças, no entanto é indicado que esse consumo seja apenas feito por bebês com mais de dois anos devido ao risco de botulismo infantil, mais conhecido por botulismo intestinal.

Para atletas o mel é super bem-vindo, especialmente antes do treino e, em especial, se estiver misturado com frutas e cereal integral, ou então junto a um pão integral!

Continua após a publicidade
Publicidade