Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Na Plateia Tudo sobre teatro

Sucesso paulistano, “Doze Homens e Uma Sentença” estreia finalmente no Rio de Janeiro

Como dizem por aí, “demorô”! Em novembro de 2010, Doze Homens e Uma Sentença estreou no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, e teve início uma trajetória rara de ser vista hoje em dia nos palcos da cidade. Depois de três meses do lançamento, o drama de Reginald Rose dirigido por Eduardo Tolentino de […]

Por Dirceu Alves Jr. Atualizado em 26 fev 2017, 22h43 - Publicado em 18 fev 2014, 14h11
O elenco dirigido por Eduardo Tolentino de Araújo em "Doze Homens e Uma Sentença" (Foto: Dalton Valério)

O elenco dirigido por Eduardo Tolentino de Araújo em “Doze Homens e Uma Sentença” (Foto: Dalton Valério)

Como dizem por aí, “demorô”! Em novembro de 2010, Doze Homens e Uma Sentença estreou no Centro Cultural Banco do Brasil, em São Paulo, e teve início uma trajetória rara de ser vista hoje em dia nos palcos da cidade. Depois de três meses do lançamento, o drama de Reginald Rose dirigido por Eduardo Tolentino de Araújo seguiu para o falecido Teatro Imprensa, onde permaneceu durante cinco meses com casa lotada, inclusive, na segunda e terça do Carnaval de 2011. Ainda passou pelo Tucarena e pelo Cultura Artística Itaim e lá se foram mais de dois anos e meio ininterruptos em São Paulo. O Rio de Janeiro esperou bastante, mas a hora chegou. Doze Homens e Uma Sentença entra em cartaz amanhã, dia 19, no Teatro II do Centro Cultural Banco do Brasil, localizado na Rua 1º de Março, 66. Os doze caras do elenco, na verdade treze, são os atores Genézio de Barros, Norival Rizzo, Babu Santanna, Marcelo Escorel, Henri Pagnoncelli, Mario José Paz, Gustavo Rodrigues, Henrique Cesar, Edmilson de Barros, Xando Graça, Camilo Bevilaqua, Alexandre Mello e Francisco Paz.

Primeira montagem brasileira, o texto já havia originado um filme de sucesso assinado por Sidney Lumet em 1957. A trama mostra uma dúzia de sujeitos encarregados de chegar a um veredicto. O réu foi acusado de assassinar o pai, e a decisão precisa ser unânime para executá-lo ou absolvê-lo. Todo o conflito começa quando um dos doze jurados opta pela dissonância e abala a convicção do grupo, até então decidido pela condenação. A temporada será de quarta a domingo, às 19h30, até 14 de abril, com ingressos a R$ 10,00. Detalhe: a peça não para no Carnaval.

Leia crítica publicada em dezembro de 2010, logo depois da estreia.

Continua após a publicidade

Publicidade