Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Randômicas Por Juliene Moretti Tudo sobre música, clipes, entrevistas e novidades dos shows.

Garbage: “Strange Little Birds é mais parecido com os nossos primeiros álbuns”, diz Duke Erikson

No meio da cena grunge dos anos 90, a banda Garbage, de Wisconsin, ficou conhecida por passar mais tempo dentro de um estúdio, no meio de aparelhagens de som e mixagem, do que lá fora. “Ratos de estúdio”, o baterista Butch Vig (que sempre vem acompanhado do predicado ‘produtor de Nevermind, do Nirvana’), o guitarrista […]

Por Juliene Moretti Atualizado em 25 fev 2017, 20h45 - Publicado em 7 dez 2016, 15h26
Steve Marker, Shirley Mason, Duke Erikson e Butch Vig, do Garbage: show neste sábado (10) (Foto: Divulgação)

Steve Marker, Shirley Manson, Duke Erikson e Butch Vig, do Garbage: show neste sábado (10) (Foto: Divulgação)

No meio da cena grunge dos anos 90, a banda Garbage, de Wisconsin, ficou conhecida por passar mais tempo dentro de um estúdio, no meio de aparelhagens de som e mixagem, do que lá fora. “Ratos de estúdio”, o baterista Butch Vig (que sempre vem acompanhado do predicado ‘produtor de Nevermind, do Nirvana’), o guitarrista Steve Marker, o  baixista Duke Erikson e a linda Shirley Manson, no vocal, lançaram hits como I’m Only Happy When It Rains, Stupid Girl, Queer, logo na primeira empreitada, em 1995.

+ Sob forte chuva, Black Sabbath faz último show da banda

Seguiram com Version 2.0 e I Think I’m Paranoid, When I Grow Up e Push It. Passearam pelo pop com Beautiful Garbage e a faixa Androgyny no início dos anos 2000. Lançaram ainda Bleed Like Me até abrirem um hiato maior entre um disco e outro. Depois, reapareceram com Not Your Kind People em 2011 e este ano, apresentaram o ótimo Strange Little Birds. “Queríamos um disco de atmosfera mais sombria, com letras românticas e tristes”, diz Erikson, por e-mail à VEJA SÃO PAULO.COM. Confira abaixo a entrevista com o músico da banda que apresenta neste sábado (10), no Tropical Butantã, a turnê do último disco.

VEJA SÃO PAULO.COM: Garbage já está na estrada há mais de vinte anos. O que explicaria a longevidade?

Duke Erikson: Eu acho que encontramos uma situação onde a química é muito boa entre nós. Nós temos a sorte de conseguir trabalhar com quatro pessoas que realmente gostam um do outro.

+ Confira os indicados ao Grammy 2017

VSP: Mesmo com esse tempo todo, são pouco os discos lançados, com longos períodos entre eles. Por quê?

Erikson: Nós mesmos sempre nos perguntamos a mesma coisa. Tudo o que eu posso falar é que trabalhamos muito para fazer todo disco o melhor que ele pode ser. E isso pode levar tempo. E a gente gosta de viajar bastante em turnês entre um álbum e outro.

VSP: Atualmente, os artistas precisam também estar sempre presentes nas mídias sociais para que os fãs estejam sempre lembrando deles. O que você acha disso?

Erikson: Eu, particularmente, não uso redes sociais. Mas eu entendo esta importância atualmente. Sorte nossa que a Shirley abraçou esta causa e se tornou a nossa “diplomata social”.

+ Drake é o artista mais reproduzido no Spotify

VSP: Desde que começaram, o que mudou na música, especialmente para o rock?

Erikson: Tudo mudou. A mídia, os negócios… E o rock se tornou menos popular, ao menos por enquanto. Mas isso vai mudar também.

VSP: Como foi o processo da produção de Strange Little Birds?

Erikson: Este álbum foi especial porque nós quatro tínhamos uma visão do que ele deveria ser, como deveria soar e ser sentido. Já tínhamos um acordo sobre isso. Queríamos uma atmosfera sombria e com composições românticas e tristes.

+ Metallica e The Strokes estão no line-up do Lolla 2017

VSP: Strange Little Birds parece ser mais sombrio mesmo do que o anterior, Not Your Kind Of People. É isso? Qual a diferença entre eles?

Continua após a publicidade

Erikson: Fazer o Not Your Kind Of People foi mais para a gente se conhecer de novo depois de um longo período que passamos separados. Nós queríamos fazer um disco mas não tínhamos uma ideia do que deveria ser… Apenas sabíamos que tinha que ter um álbum. E este agora traz muito o que costumávamos fazer nos nossos primeiros trabalhos.

VSP: A única vez que vocês estiveram aqui foi no Planeta Terra, em 2012. Você lembra disso? E o que você espera para a apresentação deste sábado (10)?

Erikson: Eu lembro. Foi uma plateia bonita e apaixonada. E eu espero que isso se repita.

VSP: O que vocês pensaram quando estavam montando o setlist?

Erikson: Nós tentamos tocar alguns dos hits com as novas músicas. E haverá surpresas.

VSP: E o que podemos esperar deste show?

Erikson: Estamos tocando muito bem agora. Os shows têm sido muito bons. E vamos dar o nosso máximo para ele.

Relembre alguns dos hits da banda; mas antes, a novidade:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=hSa_hbutFt0?feature=oembed&w=500&h=281%5D

I’m Only Happy When It Rains:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=GpBFOJ3R0M4?feature=oembed&w=500&h=375%5D

Stupid Girl:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=2GhPUAVgHZc?feature=oembed&w=500&h=375%5D

When I Grow Up:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=Je-CPZRwbh8?feature=oembed&w=500&h=375%5D

I Think I’m Paranoid:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=ypr18UmxOas?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Da trilha de 007 – O Mundo Não É o Bastante:

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=8C5NLfYdZaE?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Continua após a publicidade
Publicidade