Este site utiliza cookies e tecnologias semelhantes para personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar em nosso serviço você aceita tal monitoramento. Para mais informações leia nossa Política de Privacidade
Clique e Assine a partir de R$ 6,90/mês
Randômicas Por Juliene Moretti Tudo sobre música, clipes, entrevistas e novidades dos shows.
Cidades

“Há intenção de abafar o caso”, diz diretora do Municipal na exoneração

A diretora da Fundação Theatro Municipal, Patrícia de Oliveira, encaminhou nessa sexta-feira (1º) o pedido de exoneração no cargo. Ela era a responsável por fiscalizar a gestão do Instituto Odeon dentro do Teatro Municipal.

A partir dos apontamentos dela e de sua equipe, no fim do ano passado, o então secretário da cultura André Sturm pediu a rescisão do termo de colaboração entre o município e a Odeon.

Ele deixou o cargo em janeiro, quando passou a ser investigado por improbidade administrativa por romper este contrato.

Assim que assumiu o posto na Secretaria de Cultura, Alê Youssef suspendeu temporariamente a investigação dentro do teatro para avaliar o caso e evitar a paralisação da programação do espaço.

Na carta, Patrícia questiona esta ação. “Houve a suspensão temporária dos efeitos da denúncia ao Termo de Colaboração. A justificativa oficial foi a necessidade de aguardar a retomada do chamamento público para a contratação de uma nova Organização da Sociedade Civil. Já a razão não oficial, é o desgaste da sua imagem pessoal logo no início da sua gestão.”

Ela ainda diz que o monitoramento feito pela Fundação detectou atividade irregular da Odeon que pode retornar aos cofres público valores entre 500 000 a 900 000 reais. “Não sabemos a estimativa exata porque reiteradamente o Instituto Odeon esconde os números e não entrega as informações solicitadas.”

No ofício, Patrícia diz que a nova gestão tem evitado contato com a Fundação e relata o pedido de que as solicitações e esclarecimentos deveriam ser feitas via telefone, evitando deixar registrado por e-mail.

“Protocolei um ofício endereçado ao Instituto Odeon apontando fatos de extrema gravidade envolvendo benefícios e privilégios antieconômicos e irregulares.

No dia seguinte, pela manhã, o Secretário Adjunto Aldo Luiz Valentim me comunicou que qualquer solicitação, esclarecimento ou ajustes envolvendo a FTM e a Odeon deveriam ser tratados com ele, antecipadamente e por telefone. Pediu ainda para evitar o envio de e-mail e qualquer documento”, afirma.

Continua após a publicidade
LEIA MAIS

Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Você ainda não tem acesso a esta marca. Escolha uma das ofertas abaixo para assinar

melhor oferta

DIGITAL

Acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo do site de VEJA SÃO PAULO e a todas edições da revista no site e app 1 ano por 12x R$ 6,90

ASSINE ou
melhor oferta

DIGITAL PREMIUM

VEJA SÃO PAULO Digital + acesso ilimitado a todo conteúdo exclusivo dos sites Abril: VEJA, CLAUDIA, SUPER, QUATRO RODAS, VOCÊ S/A, VOCÊ RH, VEJA SAÚDE, VEJA RIO e PLACAR, incluindo todas edições das revistas no site e app 1 ano por 12x R$ 13,90

melhor oferta

DIGITAL + IMPRESSA

VEJA SÃO PAULO Digital + a revista impressa semanalmente em seu endereço 1 ano por 12x R$ 12,90

Acesse quando e onde quiser. Cancele a qualquer momento.