Minibiografia de edifícios: Anchieta

Ninguém se lembra de que ali ainda é Avenida Paulista, mas é. Entre a Rua da Consolação e a Rua Minas Gerais a dois quarteirões derradeiros da avenida mais querida da cidade. Aquele pedaço abriga um dos principais ícones modernistas paulistanos, o Edifício Anchieta. Inaugurado em 1941, possuía alguns dos principais traços modernistas como pilotis, […]


Anchieta tinindo logo após sua inauguração, em 1941 (Foto: Arcoweb)

Ninguém se lembra de que ali ainda é Avenida Paulista, mas é. Entre a Rua da Consolação e a Rua Minas Gerais a dois quarteirões derradeiros da avenida mais querida da cidade. Aquele pedaço abriga um dos principais ícones modernistas paulistanos, o Edifício Anchieta. Inaugurado em 1941, possuía alguns dos principais traços modernistas como pilotis, grande novidade à época, apartamentos duplex e painéis de pastilhas coloridas.

O projeto é o escritório carioca MM Roberto, então comandado pelos irmãos Marcelo Roberto e Milton Roberto. Outro irmão, Maurício Roberto, viria a se juntar à dupla no ano da inauguração do Anchieta, fazendo o escritório ser rebatizado de MMM Roberto. Além de ser uma lenda modernista, é uma das mais longevas empresas de arquitetura do país, em atividade desde 1930, quando foi fundada pelo mais velho dos irmãos, Marcelo, sob o nome de M Roberto. Atualmente é tocado por Márcio Roberto, filho de Maurício, que voltou a reduzir os Ms para M Roberto, resgatando o nome original.

Os irmãos Roberto entraram para a história da arquitetura brasileira por terem sido pioneiros na utilização do brise-soleil, creditado ao arquiteto franco-suíço Le Courbusier (1887-1965). O brise é composto por lâminas colocadas na fachada com o intuito de quebrar a iluminação direta do sol. A première deste dispositivo em terras brasilis ocorreu em 1936, no prédio da Associação Brasileira de Imprensa, de autoria de MM Roberto. No ano seguinte, o escritório venceu o concurso para construção do Aeroporto Santos Dumont, no Rio, mas o projeto original nunca foi executado. Fizeram ainda o Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), de 1941, também no Rio, e o residencial MMM Roberto, em Copacabana, erguido no terreno da casa onde passaram a infância. Neste último, tornaram-se pioneiros no uso de venezianas, móveis e fixas.

Os irmãos Roberto: Maurício, Marcelo e Milton (Foto: Arcoweb)

Voltando ao Anchieta, o prédio é lembrado pelos paulistanos por um motivo muito mais etílico do que arquitetônico. No térreo, funcionou por muitos anos o Bar Riviera, de Renato Meniscalco. Foi ali que Chico Buarque festejou a vitória de A Banda, no Festival da Canção de 1966. Os atores-bailarinos e líderes da contracultura do Dzi Croquettes eram frequentadores assíduos, assim como o cineasta José Mojica Marins, o Zé do Caixão. A figura mais emblemática era o garçom Juvenal Martins, conhecido pelo jeitão ranzinza. E havia ainda a Rê Bordosa original, inspiradora do personagem de Angeli. O Riviera fechou as portas em 2006, após 56 anos de funcionamento e um atoleiro de dívidas que culminou no despejo. Após décadas fechado, o endereço pode ressuscitar. O empresário Facundo Guerra e o chef Alex Atala anunciaram planos de reativar o local em junho, embalado por uma programação de jazz ao vivo.

Entrada do Bar Riviera, na esquina da Paulista com a Consolação. Térreo do Anchieta em tempos áureos (Fotos: Reprodução)

 

Escadaria no salão e frequentadores ilustres (Foto: Reprodução)

Assim como os espaços vazios de onde o Riviera desencarnou, o Anchieta está largado. O jardim transformou-se em terra seca, e da fachada vê-se vidros quebrados, pichações e infiltrações nas paredes. Nem de longe lembra o edifício cheio de vida de décadas atrás. E se a coisa anda feia mesmo ele estando em plena Paulista, imagina como não estarão outros de vias menos frequentadas da cidade.

Pichações, infiltrações e abandono (Foto: Mariana Barros)

Terra seca onde um dia houve um jardim entre pilotis (Foto: Mariana Barros)

 

(Obrigada a Jonas Lopes, colega e autor da sugestão deste post).

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s